Flordelis será transferida de unidade prisional

Após dias de impasse, a transferência da deputada federal Flordelis dos Santos de Souza foi determinada, nessa terça-feira (17). A juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, determinou que a pastora seja transferida para a Unidade Prisional Talavera Bruce, no Complexo de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Já a filha da pastora, Marzy Teixeira, será encaminhada para a Unidade Prisional Santo Expedito. A assistência de acusação do processo havia solicitado a transferência da ex-deputada para Unidade Prisional Nilza da Silva Santos, situada em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense. Contudo, a possibilidade foi descartada pela juíza, com o objetivo de garantir os direitos da presa.

“A opção de acautelamento na comarca de Campos dos Goytacazes, por ora, diante dos direitos e garantias dos presos, que devem ser priorizados dentro do possível, mostra-se inadequada, especialmente em razão da distância desta comarca em relação àquela”, considerou a magistrada, em sua decisão. No mesmo documento, assinado pela magistrada, ela pede que as transferências aconteçam de imediato.

A juíza também reforçou a proibição de qualquer contato entre os réus do processo. Flordelis é acusada da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, morto a tiros em junho de 2019, e responderá por homicídio triplamente qualificado, motivo torpe, emprego de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada. Outros dez réus também respondem pelo assassinato.

Todos os procedimentos relacionados às transferências ficam a cargo da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). A reportagem de A TRIBUNA procurou o órgão e questionou se as transferências já aconteceram ou se já possuem previsão para ocorrer. Até o momento da publicação desta reportagem, o órgão não havia se manifestado sobre o assunto.

Recordando

Após a prisão de Flordelis, na última sexta-feira (13), a assistência de acusação alegou que a ex-deputada estava na mesma unidade prisional que a neta, Rayane. Em nota, a Seap confirmou que as duas, de fato, estavam acauteladas no Instituto Penal Santo Expedito, mas em espaços diferentes da unidade, sem contato, a fim de cumprir a ordem judicial que impede contato entre os réus acusados de participação do homicídio do pastor Anderson do Carmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 16 =