Flordelis alega agenda cheia e adia depoimento na DPCA

Alegando vários compromissos em sua agenda, a deputada federal, pastora, e cantora gospel Flordelis, viúva do pastor Anderson do Carmo – assassinado a tiros em junho do ano passado, em sua casa em Pendotiba – adiou o depoimento que prestaria, na tarde de segunda-feira (20), na sede da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Niterói.

De acordo com um de seus advogados, Maurício Mayr, a deputada recebeu uma intimação para comparecer na DPCA, na última sexta-feira (17) e já teria compromissos agendados e por conta disso não teria condições de comparecer. Uma nova data ficou de ser agendada para breve. Ela foi intimada para ser ouvida em outro inquérito, que havia sido aberto em outubro de 2019, sobre denúncia de que manteria uma adolescente de 17 anos, sem no entanto, formalizar sua adoção. A especializada apura como a jovem passou morar com Flordelis. De acordo com informações, a os pais da adolescente não autorizaram que a jovem fosse para a casa da deputada, e que a mesma havia saído de casa.

A polícia já apurou que um dos vários filhos adotivos de Flordelis, André Luiz de Oliveira, teria levado a jovem para morar com a parlamentar em 2011, quando ele tinha 8 anos de idade, informando em depoimento que pegou a criança com Carlos Knust e sua mulher, Claudia. Carlos é gerente-comercial da MK Music, gravadora gospel com a qual Flordelis tem contrato. O casal também confirmou aos agentes que foi o responsável por entregar a garota a André. Também, em depoimento, o gerente relatou que uma prima sua, Delcenir Knust, havia lhe pedido ajuda para fazer contato com Flordelis. Pois uma tia da criança, identificada como Cristina, disse que a mãe não tinha condições de cuidar da menina. Carlos relatou que pegou a jovem com Delcenir, que por sua vez recebeu a garota de Cristina. A versão de Carlos foi confirmada por Delcenir, que também foi ouvida pela polícia.

No mês de maio a deputada já havia comparecido na sede da DHNSG para prestar outro depoimento, dessa vez relativo a morte de seu marido

Anderson do Carmo.O depoimento durou cerca de 4 horas, e na ocasião, segundo o titular dessa especializada, delegado Allan Duarte, Flordelisrespondeu todas as perguntas, encerrando a fase de interrogatórios da investigação sobre a morte do pastor.

Anderson foi morto com diversos tiros na madrugada do dia 16 de junho do ano passado, na garagem de sua casa, em Pendotiba, Niterói.Flávio dos Santos Rodrigues, filho biológico de Flordelis, e Lucas Cezar dos Santos, filho adotivo do casal, foram presos e denunciados pelo crime.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.