Flavio Serafini (PSOL), prefeitável em Niterói, conversa com eleitores sobre educação e geração de renda

Agenda cheia no feriadão prolongado da dupla de educadores Flavio Serafini e Josiane Peçanha (ambos PSOL), que formam a chapa majoritária das eleições municipais deste ano. Eles visitaram a Engenhoca, bairro de origem operária de Niterói, acompanhados de candidatos a veredores pelo mesmo partido, para debater mobilidade urbana, habitação, atendimento em saúde e vagas nas escolas públicas.

O programa de governo dos candidatos prevê a realização de obras que ao mesmo tempo promovam a geração de novos empregos ea superação de problemas de infraestrutura econômica, urbana e social. “O enfrentamento de tais questões possui alto conteúdo de obras públicas, com elevada capacidade de geração de empregos. A Prefeitura tem que induzir um processo de crescimento do município criando um plano de obras imediato”, disse Serafini.

Em caminhada pelo Engenho do Mato, na Região Oceânica, a dupla levantou a necessidade de reabertura – em parceria com a Prefeitura – do antigo Colégio Estadual Fagundes Varela, fechado há mais de dez anos, que, se transformada em escola de Ensino Fundamental, poderia atender às crianças do bairro sem a necessidade de deslocamento para outras localidades. Os candidatos também constataram a falta de ciclovias na região e prometeram criar um planejamento para o bairro para o uso de bicicletas como modal.

No Dia das Crianças (12), mais uma vez acompanhados de correligionários, os dois caminharam da reitoria da UFF até o Campo de São Bento, onde estenderam em frente à Escola Municipal Júlia Cortines uma faixa reivindicando a abertura de mais vagas na rede pública de ensino. “Precisamos ampliar urgentemente a rede de escolas de Niterói, pois as 93 atuais não dão conta da demanda. Além disso, acreditamos que é preciso ter uma rede 100% em horário integral”, comentou Josiane.

Os pessolistas também se reuniram com sobreviventes da tragédia das chuvas que há dez anos matou mais de 200 pessoas de mais de 20 favelas de Niterói e deixou cerca de mil desabrigados. O objetivo foi ouvir deles as suas dificuldades e sugestões de melhorias. Os relatos das vítimas incluem problemas na estrutura das moradias recebidas do Minha Casa Minha Vida e o valor do aluguel social, que segundo eles seria insuficiente para cobrir despesas de uma nova casa. Na ocasião dos acontecimentos, o prefeitável criou um comitê de solidariedade às vítimas e desde então acompanha os desdobramentos na vida da população atingida.

Após o Bumba, Flavio e Josiane caminharam pelo Viçoso Jardim e pelo Cubango, apresentando suas propostas para moradia. O Programa de Governo de Flavio e Josiane, que será lançado hoje (13) à noite em uma live, prevê encaminhar 10% dos orçamento municipal e 10% dos royalties do Petróleo para urbanização, regularização fundiária e novas moradias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + 12 =