Feminicídio no Plaza: defesa de acusado afirma estar confiante. “O povo é o juiz da causa”

Na semana passada, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, decidiu levar Matheus dos Santos da Silva, acusado do feminicídio ocorrido no Plaza Shopping, a júri popular. A jovem Vytoria Melissa Mota, de 22 anos, morreu após ser esfaqueada, na praça de alimentação, no começo da tarde de 2 de junho. O autor do crime, Matheus, foi preso em flagrante por policiais civis da 76ª DP (Niterói), que almoçavam no local. A jovem foi socorrida ainda com vida, mas morreu no Hospital Estadual Azevedo Lima (HEAL) no Fonseca, Zona Norte da cidade.

Nesta terça-feira (10), a defesa do réu se pronunciou sobre a sentença. O advogado Renan Canto, um dos representantes de Matheus, afirma ter recebido a decisão com naturalidade. “Em relação à pronúncia, a defesa recebeu com naturalidade e sequer recorreu da sentença interlocutória da decisão que manda o caso a julgamento. O povo é o juiz da causa, os jurados são os juízes dessa causa. Os crimes dolosos contra a vida são julgados pelo povo e o povo que deve decidir. Então, por essa razão, a defesa não recorreu, e está confiante, aguardando o resultado perante o Tribunal do Júri”, disse o advogado.

Na última sexta-feira (6), foram anexadas, ao processo, mensagens de texto que podem trazer mais esclarecimentos. No entanto, a defesa afirmou não poder se pronunciar sobre o fato, por não ter tido acesso ao conteúdo. “Com relação ás mensagens de WhatsApp trocadas, a defesa ainda não teve acesso, não foi intimada, então não pode se manifestar sobre o conteúdo das mensagens que foram apostadas aos autos”, esclareceu Renan Canto.

Em ato ordinário, assinado pela magistrada, ela informa que juntou ao processo prints das mensagens de WhatsApp trocadas entre Matheus dos Santos da Silva, acusado pelo crime, e a vítima. Além disso, também foram juntadas ao processo mensagens trocadas entre a vítima e uma testemunha, identificada apenas como “Daniel”. O crime aconteceu em 2 de junho deste ano, quando a estudante Vitórya Melissa Mota foi morta na praça de alimentação do shopping. Segundo a polícia, um interesse amoroso não correspondido foi a motivação do homicídio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.