Executiva Nacional do PR expulsa Garotinho

O ex-governador Garotinho não é mais presidente do PR no Estado do Rio. A informação foi postada no blog dele, em que fala que a Comissão Executiva Regional Provisória do PR foi dissolvida pela Comissão Executiva Nacional do Partido da República.

Entre os motivos alegado por Garotinho, é que dos seis deputados federais eleitos em 2014, segunda maior bancada do estado, a maioria saiu. Dos oito deputados estaduais, restam apenas dois que, segundo a executiva, tem sido ameaçados de forma pública por ele, de serem expulsos do partido. Ameaça confirmada pelo ex-governador no blog.

“É verdade. Devem ser expulsos porque se renderam à pressão de Sérgio Cabral, Picciani e à quadrilha do PMDB. Em 2014, o PR elegeu a segunda maior bancada de deputados federais, só ficando atrás do PMDB, que detinha a máquina estadual, da Prefeitura do Rio e a maioria das prefeituras. E mesmo assim, nossa coligação com o PROS elegeu oito deputados federais, seis do PR e dois do PROS”, afirmou.

Garotinho lamentou ter sido informado de sua saída pelo whatsapp. “Foram as minhas votações e dos candidatos que apoiei que deram ao partido o tempo de televisão que dispõe hoje e boa parte do fundo partidário”, disse.

Ele ficou indeciso sobre a saída do partido e ressaltou que não sabe se deve lamentar ou comemorar a decisão. “Talvez seja a hora de eu me reencontrar com meus princípios históricos, os quais nunca abandonei: o nacionalismo, o trabalhismo e a defesa do povo”, realçou.

O ex-governador disse que passar um período no PR foi um ponto fora da curva da sua história política. “Deixo o PR aliviado já que o partido hoje é uma sucursal do governo Michel Temer, que está entregando o Brasil, perseguindo aposentados, comprando deputados para aprovar reformas políticas, gastando bilhões para não ser investigado sobre as malas de Geddel Vieira Lima, as mutretas de Cunha, as maracutaias de Rodrigo Rocha Loures”, concluiu.

Ele manteve para quinta-feira uma reunião no Rio para definir os rumos de seu grupo político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *