Ex-secretário estadual de Saúde, Fernando Ferry é alvo da PF

Vítor d’Avila

O ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Fernando Ferry, foi um dos alvos da Operação Desmascarados, deflagrada ontem pela Polícia Federal. A investigação apura possível direcionamento de procedimentos de dispensa de licitação, no âmbito do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle (HUGG/UNIRIO), para aquisição de equipamentos de proteção individual (EPIs) durante a pandemia do novo coronavírus.

Os agentes ainda investigam desvio de dinheiro público, provocado pelo sobrepreço desses materiais. De acordo com a PF, as suspeitas estão evidenciadas por meio de documentos elaborados pelo setor de Auditoria da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) e também em relatório de fiscalização da Controladoria-Geral da União (CGU).

As investigações apontam favorecimento de determinado grupo de empresas que para cometimento dos delitos contavam com a conivência de funcionários públicos. A PF também apura que provavelmente, o quadro societário das empresas beneficiadas seja integrado por “laranjas”.

Em uma das compras feitas por dispensa de licitação, foram gastos R$ 1.280.450,00 para a aquisição, dentre outros itens, de 6.500 máscaras e 6.500 aventais, pelos preços individuais, respectivamente, de R$ 47,80 e R$ 49,50. Os mesmos equipamentos foram cotados, em Chamamento Público da EBSERH, respectivamente, por R$ 12,50 e R$ 15.

Nesta compra em específico, a CGU aponta que houve sobrepreço no valor de R$ 650.270,00, e um superfaturamento, de R$ 398.444,00. A Controladoria afirma ainda que há grades indícios da montagem do processo realizada pelo Hospital Universitário Gaffrée e Guinle.

A ação cumpriu cinco mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, nos bairros Tijuca, Maracanã e Jacarepaguá; e no município de Duque de Caxias. Ao todo, participaram da operação 30 policiais federais.

Fernando Ferry, um dos alvos de mandados, é superintendente do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle. Ele se licenciou do cargo em maio de 2020, para assumir a Secretaria de Estado de Saúde do RJ, ainda durante a pandemia, onde ele ficou por pouco tempo: apenas um mês, até pedir demissão.

Ex-secretários têm problemas com a Justiça

Fernando Ferry sucedeu Edmar Santos no cargo de secretário de Estado de Saúde. Este último foi exonerado do cargo após suspeita de desvio de verbas usadas para compra de respiradores para UTIs destinadas a pacientes com a covid-19. Santos chegou a ser preso por conta da acusação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =