Ex-secretário de Bolsonaro é acusado de mentir na CPI da Covid-19

A divergência entre o que Fábio Wajngarten, ex-secretário especial de comunicação social do governo Bolsonaro, disse à revista Veja, em entrevista concedida no mês passado, e o que ele passou a dizer, durante seu depoimento nesta quarta-feira (12) na CPI da Covid-19, no Senado, irritou o relator da comissão, Senador Renan Calheiros.

À Veja, ele havia dito que houve incompetência da Saúde no processo de aquisição de vacinas. Mas, durante seu depoimento na CPI, Fábio disse que o ex-ministro da Saúde Pazuello foi corajoso ao assumir a pasta, atribuindo à “morosidade da administração pública” a incompetência que mencionou na entrevista.

Calheiros disse que Fábio havia “exagerado na mentira” em seu depoimento na CPI. E ponderou sobre um pedido de prisão caso a mentira se comprove.

“Eu queria, presidente, sugerir a vossa excelência, requisitar o áudio da revista Veja para nós verificarmos se o secretário mentiu ou não mentiu. Se ele não mentiu, a revista veja vai ter que pedir desculpas a ele. Se ele mentir, ele terá desprestigiado e mentido ao congresso nacional, o que é um péssimo exemplo. Queria dizer que vou cobrar a revista Veja. Se ele mentiu a revista veja e a esta comissão eu vou requerer a vossa excelência na forma da legislação processual, a prisão do depoente” – asseverou Renan Calheiros.

Já o senador Omar Aziz, que preside a CPI também ficou irritado com Fábio Wajngarten e alertou que ele poderia ser convocado novamente a depor como investigado. “Com todo o respeito que o senhor merece, se Vossa Excelência não for objetivo nas suas respostas, nós iremos dispensá-lo dessa comissão, pediremos a revista Veja que mande a gravação e o chamaremos de novo, não como testemunha, mas como investigado”, enfatizou Aziz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =