Ex-candidato detido pela PRF afirma ser inocente

O empresário Walace dos Santos Miranda Rosa, que foi candidato a vereador na cidade de São Gonçalo, negou que o carro que dirigia, na manhã desta terça-feira (3) seja irregular. Ele foi preso em flagrante, e posteriormente solto mediante pagamento de fiança, metros após a Praça do Pedágio da Ponte Rio-Niterói, em abordagem feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Walace garantiu que possuía todas as documentações do carro, necessárias no momento da abordagem. Ele afirma ter comprado o veículo, modelo Renault Captur, de uma pessoa conhecida mas preferiu não revelar quem seria essa pessoa ou como a conheceu. O empresário afirmou que está buscando contato com o vendedor a fim de esclarecer a situação do veículo, que ficou apreendido para averiguação.

“O carro não era roubado, visto que eu tinha documentação do carro. A gente está procurando entrar em contato com a pessoa de quem adquiri o veículo. [Não posso passar] mais informações no momento. Vamos apurar os fatos com a advogada e junto com a polícia. [A compra] foi por meio de indicações, conversas, coisas que a gente usa no cotidiano, trocas. A gente negocia, como todo mundo faz no dia a dia. Foi uma pessoa que indicou uma pessoa”

O empresário preferiu não revelar o valor pago pelo automóvel. Walace contou ter adquirido o veículo há aproximadamente três meses e que não possui contato direto com o vendedor. Além disso, ele afirmou ter feito averiguação na documentação e no chassi do automóvel, sem encontrar indícios de irregularidade, o que o deu segurança para realizar a compra.

“Quando averiguei chassi, placa, numeração do veículo. batia com a documentação que me foi apresentada. Acreditei que era um veículo de boa procedência. Não tinha sinal algum de adulteração. Eu particularmente não vi. O que me foi dito [pelos policiais] é que na parte de trás do carro tinha uma pequena diferença onde surgiu a suspeita de que o carro seria adulterado”, prosseguiu.

A advogada Patrícia Jardim Carvalho, que representa Walace, afirmou acreditar que o inquérito será arquivado. “A gente não tem ainda instaurado o inquérito policial. No momento a gente só tem o registro da ocorrência. Vamos realizar a defesa,l apresentação de documentos que provam, de forma cabal, que o Walace foi vítima de um golpe. A gente acredita que esse inquérito vai ser arquivado”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 6 =