‘Eu sofria assédio todos os dias’, diz filha de Flordelis sobre Anderson do Carmo

Simone dos Santos Rodrigues, filha biológica da deputada federal Flordelis (PSD-RJ), prestou depoimento na segunda-feira (26) ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados no processo que apura possível quebra de decoro parlamentar. Ela reiterou ter sofrido supostos assédios, por parte do pastor Anderson do Carmo, além de afirmar que sua mãe não teria quaisquer responsabilidades pelo crime.

Cabe ressaltar que Simone foi arrolada pelos advogados de Flordelis como testemunha de defesa. A filha biológica da parlamentar afirmou ter sido a responsável por financiar o crime, dando dinheiro à sua irmã adotiva, Marzy, para que repassasse a outro irmão, Lucas Cézar dos Santos de Souza. Ambos também são réus pelo crime.

“Ela não sabia de nada, não tinha ciência nenhuma do que estava acontecendo. Como eu disse na audiência, dei dinheiro para a Marzy e ela resolveu com o Lucas. Eu estava em desespero, não aguentava mais as investidas dele, ele ameaçava cortar o dinheiro da minha medicação, do meu tratamento”, disse Simone.

A filha biológica da deputada novamente narrou como seriam os supostos abusos sofridos por ela e cometidos pelo líder religioso. Ela afirmou que embora não existissem discussões entre eles, a relação jamais foi boa e que um suposto namoro que tiveram, antes que ele se casasse com Flordelis, não teria passado de “brincadeira de escola”.

“Único relacionamento que eu tive com ele foi uma brincadeira de escola, na minha adolescência, nada sério. Deveria ter uns 12 ou 13 anos. Não existia discussão mas a gente nunca se deu tão bem assim. Eu sofria assédio todos os dias. Teve um dia que eu cheguei da quimioterapia e ele estava se masturbando. Todos os dias da manhã ele entrava no meu quarto para tentar me agarrar”, prosseguiu.

Questionada sobre a origem do dinheiro usado para que Marzy financiasse o crime, Simone admitiu que quem a deu teria sido o próprio Anderson do Carmo. Ela relatou que o pastor custeava seu tratamento médico, para um melanoma, e faria constantes ameaças de suspender o0s pagamentos. A reportagem entrou em contato com Angelo Máximo, advogado da família de Anderson, para que ele comentasse as declarações. Entretanto, ele não havia respondido, até o fechamento desta edição.

Vítor d’Avila

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − 1 =