‘Eu sempre me vi dentro da Seleção Brasileira’, diz Daniel Alves

A aparição de Daniel Alves, que recentemente retornou ao Barcelona, na lista de convocados de Tite para esta Data Fifa causou surpresa e reações negativas em muitos torcedores, especialmente pela idade avançada do atleta: 38 anos. Ele tem chances de assumir a titularidade no jogo contra o Paraguai, na terça-feira (1º), no Mineirão, pelas Eliminatórias.

Isto porque Emerson Royal, que iniciou o duelo contra o Equador, cumprirá suspensão automática após ter sido expulso. Jogador mais experiente do elenco da Seleção Brasileira, Daniel Alves fez um “raio-x” do grupo. De acordo com o lateral-direito, os atuais jogadores têm maior noção da importância em vestir a camisa do Brasil.

“A cara desse grupo é uma que a gente faz tempo tentava recuperar, que é de alegria, satisfação e prazer de estar vestindo essa camisa. Os jogadores têm um pouco mais da consciência do que é vestir essa camisa. Devido a ter convivido com vários grupos, em vários momentos, trago essa experiência a eles. De ter comprometimento, seriedade e defender essa camisa histórica com muita dignidade”, disse.

Dani terá 39 anos na Copa do Mundo do Catar, que será disputada no final deste ano. O defensor reiterou que o sonho de disputar o Mundial segue vivo e que nunca se apagou, mesmo tendo ficado de fora das últimas convocações. Em relação às críticas recebidas, o jogador frisou que elas o ajudam a crescer.

“Para mim não mudou muita coisa no que eu sempre coloco como premissa de trabalho. Volto a insistir, o sonho é meu, a vontade é minha. Eu sempre me vi dentro da Seleção Brasileira. Pelo meu comprometimento, disciplina, caráter e entrega. As contestações e debates fogem um pouco do meu alcance, mas é do futebol e as críticas nos fazem melhorar”, prosseguiu.

Ainda falando sobre a idade avançada em relação à maior parte do elenco, Daniel Alves citou que no futebol e em outras modalidades existem exemplos de veteranos que ainda rendem em alta performance. Além disso, o lateral ressaltou que, por ter uma vivência maior, pode compartilhar suas experiências com os jogadores mais jovens.

“Normalmente temos grandes exemplos de alta performance independente da idade. O fato de ser um jogador mais experiente dá um conhecimento que, de repente, os outros não têm. Isso faz com que se crie a longevidade na carreira. Eu tenho um compromisso muito sério com a minha profissão, que não é simplesmente um jogo de futebol. É o que mudou a vida dos meus”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.