Governo do Estado vai divulgar calendário único de vacinação

O governador em exercício Cláudio Castro (PSC) anunciou na quinta-feira (25), durante uma coletiva de imprensa no Palácio da Guanabara, que vai divulgar na próxima semana um calendário estadual de vacinação a ser cumprido pelas cidades. Além disso, foi anunciada a inclusão de mais 80 leitos em funcionamento esta semana e mais 480 leitos federais na semana que vem para atender pacientes com Covid-19.

O objetivo do calendário único para todo o estado é evitar a migração de pessoas entre as cidades vizinhas que estão vacinando pessoas com idades diferentes. “Vamos apresentar um calendário único de vacinação na próxima segunda-feira, para que a população tenha tranquilidade. Vamos vacinar em todos os municípios a mesma faixa etária”, afirmou.

Durante sua fala, ele comentou que é um erro achar que os dez dias do “superferiado” como dias de lazer, mas sim um tempo de ficar em casa. “É hora de ficarmos em reclusos, sim. A situação é grave”, afirmou Castro, que negou que pretenda judicializar os decretos publicados pelos prefeitos que trazem medias mais restritas de que o decreto publicado por ele.

E acrescentou: “É uma tristeza achar que é um feriado. Estamos aproveitando os feriados para fazer essa grande parada. Ouvi os que queriam ser mais restritivos, os que queriam ser menos restritivos. Isso chama-se democracia, que é a arte de discordar e de convergir e chegar a uma única ação”.

Castro disse ainda que é preciso que se faça um pacto, entre os poderes e a população para que os dias do “superferiado” sejam um momento de parada, e que essa parada foi pensada negociadamente com as cidades e com os setores produtivos para atender os interesses de todos os municípios. “Não somos capital, não somos Baixada ou Niterói, somos um estado inteiro com 92 municípios e, por isso, minha grande função aqui é mediar os interesses dos 92 municípios. Cada decisão tomada aqui vai impactar em todas regiões do estado”, disse.

Questionado sobre o fechamento das praias, Castro afirmou que quando Rio de Janeiro e Niterói fecharam as praias, foi necessário que o governo do Estado tomasse a medida para proteger os municípios do interior de uma possível migração de pessoas da região metropolitana para outras regiões do Estado. “Na próxima segunda-feira vamos fazer uma nova reunião para reavaliarmos o que está não funcionando nesse decreto e vamos ver se haverá a necessidade de fazer alguma mudança nas medidas restritivas”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + 12 =