Estado quer realizar licitação das barcas até o fim do ano

Anderson Carvalho –

Falta apenas a finalização das análises técnica e jurídica pela Secretaria de Transportes e pela Procuradoria Geral para o Governo do Estado iniciar o processo licitatório que escolherá a nova empresa que terá a concessão do transporte aquaviário entre Rio, Niterói, Ilha de Paquetá e Ribeira. Com o dinheiro da licitação, o Estado pretende quitar cinco embarcações das nove encomendadas há dois anos. Quatro já chegaram e estão em pleno funcionamento: Pão de Açúcar, Corcovado (que operam na linha Praça XV – Araribóia (dois mil lugares cada) e a Ilha Grande (Praça XV – Paquetá) (500 lugares). Destas nove, sete foram fabricadas na China e duas no Ceará. Ao todo, o governo investiu R$ 273 milhões na compra das nove embarcações.

O Estado ainda trata com a concessionária CCR Barcas o fim do contrato, que tem validade até 2023. Entre as pendências, a relação dos bens reversíveis, que eram da antiga Companhia de Navegação do Estado do Rio de Janeiro (Conerj) e agora estão sob responsabilidade da CCR. A empresa e o governo estão acertando o destino do Estaleiro Barcas, no bairro da Ponta da Areia, que antes da privatização, em 1998, pertencia à Conerj.

Enquanto isso, a Frente Parlamentar em Defesa do Transporte Aquaviário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) promove audiências em todos os municípios fluminenses afetados pela concessão. Depois de promover reuniões no Rio e em Niterói, agora quer levar a discussão para outras regiões, como as Ilhas de Paquetá e do Governador, na cidade do Rio e em São Gonçalo. A agenda ainda está sendo montada. “Estamos brigando para que seja implantada linha social na Estação de Charitas, além de outra em São Gonçalo. Apesar do governo achar muito difícil, temos argumento para mostrar que, no caso de Charitas, se colocar uma barca com tarifa social, a demanda vai aumentar”, afirmou o presidente da Frente, deputado estadual Flávio Serafini (Psol).

A Frente também tenta a aprovação de projeto de lei, de autoria de Serafini, que obriga o Estado a implantar linha com tarifa social na Estação de Charitas, com destino ao Rio. “A proposta foi apresentada no ano passado e deverá ser colocada em votação no plenário dentro de quinze dias”, contou o psolista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *