Esqueceram o nascimento de Niterói e o trágico quebra-quebra das Barcas

Maio foi um mês de marcantes acontecimentos na terra nascida com a aldeota de Arariboia. Historicamente, uma data marcante como a criação da cidade de Niterói, em substituição à condição de Vila Real da Praia Grande – nome dado quando a família Real se banhava em suas águas límpidas não foi lembrada.

A elevação à condição de cidade decorreu de Alvará assinado pelo rei Dom João VI, em 10 de maio de 1819, portanto há 202 anos passados. A instalação do município ocorreu 11 de agosto do mesmo ano. Niterói não conta com um Museu da Cidade e nem com o sonhado Museu da Vila Real, projetado pelo professor Francisco de Albuquerque.

Outro marcante acontecimento de maio ocorreu no dia 22, quando a população se revoltou com os desmandos do monopólio do serviço de barcas e de barcaças. Havia insatisfação com os aumentos tarifários e na noite anterior os operários navais entraram em greve. A população tocou fogo nos edifícios das Barcas, bem como nas casas da família Carreteiro.

MP da privatização da Eletrobras será votada hoje, diz Lira

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) disse ontem que pretende votar hoje a Medida Provisória (MP) 1031/21, que trata da privatização da Eletrobras. A proposta chegou a entrar na pauta da sessão desta terça-feira, mas Lira disse que ainda vai aguardar a versão final do texto do relator, Elmar Nascimento (DEM-BA). A MP recebeu mais de 570 emendas.

Lira justificou ainda a pressa em votar a proposta, com o argumento de que há um acordo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), de encaminhar para a Casa as MP’s editadas após o mês de fevereiro, até 30 dias antes final do prazo de validade da proposta. A MP com a proposta de privatização da empresa, que é responsável por 30% da energia gerada no país, foi encaminhada para a Câmara no dia 23 de fevereiro.

“Está pautada para amanhã a votação da Medida Provisória 1031, da Eletrobras. É importante que haja um amplo debate sobre o tema. Nós temos um acordo para que, em respeito ao Senado, as MPs sejam encaminhadas para análise dos senadores, com um prazo de 30 dias” disse hoje Lira por meio de uma rede social

Pela MP, a proposta de privatização da Eletrobras, será executada na modalidade de aumento do capital social, por meio da subscrição pública de ações ordinárias com renúncia do direito de subscrição pela União. Ou seja, ate que a União deixe de ser o acionista majoritário da empresa.

A MP diz ainda que o aumento do capital social da Eletrobras poderá ser acompanhado de oferta pública secundária de ações de propriedade da União ou de empresa por ela controlada, direta ou indiretamente.

Municípios virgens

Chega a 575 o número de municípios onde a Covid não causou nenhum óbito.

São municípios de baixo nível populacional, alguns com menos de dois mil habitantes, embora parte deles conte com boa extensão territorial.

Como os municípios com pouco número de habitantes não contam com hospitais, é possível que em alguns deles moradores possam ter ido a óbito em cidades mais próximas dotadas de hospitais.

As estatísticas também indicam que entre os 5.570 municípios brasileiros, 1.248 registraram menos de cinco óbitos, neles incluídos os sem ocorrência de mortes.

Nestes 17 meses de pandemia ficaram abaixo das 20 mortes, 3.331 municípios.

É um dado significativo se consideramos que um único município (São Paulo) suplantou o número total de óbitos ocorrido nesta metade do Brasil administrativo.

Também deixa claro o que temos repetido: onde há menos aglomeração de pessoas é mais fácil a prevenção.

Povoamento e renda

O Brasil conta com 139 municípios com baixíssima taxa populacional, a começar por Ipueira, com apenas 1997 habitantes; Sucupira, com 1.946 e Lavanderia com 1892.

Mas houve época em que só era permitida a desanexação de distritos para ciar novos municípios nas regiões com mais de 10 mil habitantes.

Todos têm o mínimo de nove vereadores, com duas cidades ainda sem chegar a um milhar de habitantes.

Grande parte da população diz viver melhor do que nas grandes cidades mesmo com a renda per capita girando em torno de 1,5 salário-mínimo.

Fura teto”

Os militares estão voltados para o serviço da Pátria.

Mas não é isto que acontece com os que estão de pijama, ocupando cargos no Governo Federal.

Segundo o “Correio Braziliense”, quatro ministros tem direito de ultrapassar o “teto salarial”, porque uma portaria do atual governo permitiu-lhes acumular o que recebem de aposentadoria com a remuneração do cargo civil temporário.

Há quem esteja recebendo legalmente mais de R$ 66 mil em cada mês, num contraste com os valores pagos através do “auxilio emergencial” – este, verdadeiramente temporário e emergencial – ou do “Bolsa Família”.

Prisão cara

Rio de Janeiro – Operação integrada de varredura na Penitenciária Milton Dias Moreira, em Japeri, na baixada fluminense, conta com militares do Exército e agentes da Seap (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Estudo divulgado no Senado indica que o custo de cada condenado, cumprindo pena em Presidio Federal, sai para União por mais de R$ 5 mil por mês. O gasto é reduzido quando se refere a presídios estaduais.

O gasto “per capito” com presidiários é bem superior aos gastos com alunos em escolas públicas de qualidade.

Quem está empenhado em fazer deste um país justo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − dez =