Espaço UFF de Fotografia recebe mostra de questões raciais e de gênero

‘Miss Amazônia – territórios do corpo dissidente’ é uma exposição de Rafael Bqueer, artista paraense que investiga a construção de personas na paisagem, provocando uma fricção no tecido simbólico, através de performances, pequenos objetos e registros fotográficos. Em termos gerais, é possível afirmar que sua preocupação primordial é mergulhar na poética da imagem através de um processo semântico que tem por objetivo explorar os paradigmas de uma sociedade caótica, onde realidade e fantasia se misturam, se complementam e paradoxalmente se antagonizam; numa relação intermitente entre a fantasmagoria, o sonho e o universo pop. A mostra será ianugurada no Espaço UFF de Fotografia Paulo Duque Estrada, em Icaraí, no próximo dia 8 das 19h às 21h.

O trabalho retoma o exercício ficcional e narrativo de uma cena contemporânea, adaptada à realidade brasileira, em suas variáveis políticas, urbanas, sociais e geográficas. As questões raciais e de gênero estão presentes de maneira muito natural, em virtude do jogo complexo de mistura entre a figura do artista e suas personagens inconscientes que são expostas ao longo dos trabalhos e da própria trajetória.
Ao todo 37 obras registram afetos sob múltiplas perspectivas em ‘Cartas para encontrar o amor’.

De Ana Biolchini, Lu Lessa Ventarola, Luiza Leit​e,​ Mariana Guimarães, Martha Niklaus, Mayer e curadoria de Paula Borghi. É uma exposição portátil pensada a partir de uma deriva coletiva à praça da Harmonia no bairro da Gamboa no Rio de Janeiro com o objetivo de pensar os possíveis círculos de afeto entre o grupo de curadores-artistas, os habitantes da praça e o bairro. Assim surgiu a ideia de construir um baralho que pudesse transmitir a subjetividade do tema através de um jogo que, assim como o amor, é sempre inventado e interpretado de acordo com o repertório de cada jogador. As cartas funcionam como jogo de tarô e da memória, e cada associação é feita livremente pelos jogadores que acessam a obra. As técnicas utilizadas pelos artistas nas 37 cartas foram determinadas pela experiência na deriva e simbolizam, através de fotos, desenhos, textos e costuras, as tentativas de intuir e registrar esses afetos sob múltiplas perspectivas.

A visitação pode ser feita até 17 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 10h às 21h, e sábados e domingos das 13h às 21h. O Centro de Artes da UFF fica na Rua Miguel de Frias, 9 em Icaraí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − dois =