Escolas públicas continuam atrás no Enem

Raquel Morais

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou na terça-feira (04) a listagem com as notas das 14.998 escolas, públicas e privadas, que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2015. O resultado mostra a triste realidade da educação pública de Niterói, já que nenhuma escola pública ficou entre as 100 melhores pontuações. Já no ensino particular três colégios figuram nessa listagem em 18º, 52º e 87º lugares: Colégio e Curso Ponto de Ensino, Instituto Gaylussac e Colégio Marília Mattoso, respectivamente.

Tomando como base a maior nota do exame, de uma escola em São Paulo, que teve média 751,29 nas provas objetivas, os três colégios tiveram as seguintes pontuações: 704,59, 678,27 e 665,78 respectivamente. Já no Enem de 2014 as mesmas escolas privadas também ficaram entre as 100 melhores notas, porém em colocações melhores do que 2015. Ficaram em 13º, 41º e 61º.

Somente em 183º apareceu o primeiro colégio público de Niterói, o Pedro II, no Barreto, com nota 647,20. Na avaliação de 2014 o colégio federal tinha ficado no 214º lugar, o que mostra a melhora da média das avaliações. Já o Colégio da Polícia Militar de Niterói, no Fonseca, ficou em 1.997º (nota 576,00), seguido do federal Colégio Universitário Professor Geraldo Achilles dos Reis em 4.328º (537,66), Colégio Fernando Magalhães em 5.634º (519,38), Liceu Nilo Peçanha em 6.479º (510,73) e em 7.222 o Colégio Professora Alcina Rodrigues Lima (504,67), por exemplo.

Segundo nota do Inep, a média em redação do Enem 2015 subiu em relação ao Enem 2014. Em 2015 a média das escolas foi de 543 pontos, enquanto no ano anterior, chegou a 491. O tema da redação em 2015 foi “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”. “A redação é o elemento, na minha opinião, mais interessante do Enem. Comprova dois fatores fundamentais para a emancipação do indivíduo, o repertório e a capacidade de argumentação”, comentou Daniel Cara, coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + nove =