Escolas estaduais passarão a usar energia solar

A cada ano, o custo da energia elétrica vem aumentando e deixando a conta mais salgada. Na contramão, o preço do painel solar vem caindo gradativamente e já pode ser adquirido por R$ 10 mil. E não é só a população que pensa em economizar, o Governo também. Nesta semana, o secretário estadual de Educação, Pedro Fernandes, anunciou que o Estado está realizando um estudo para o uso de energia solar nas escolas estaduais. A estimativa é economizar R$ 100 milhões nos gastos com a tecnologia.

Apesar de não ter uma data para concluir o projeto e colocá-lo em prática, o secretário afirmou que até o momento duas empresas demostraram interesse no projeto. Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Estado do Rio é o sétimo em utilização da energia solar, mas a cidade do Rio é a quarta que mais produz energia no ranking de municípios.

Com sol praticamente os 12 meses do ano, impostos elevados e uma tarifa de energia cara, a Região Metropolitana do Estado é uma das mais vantajosas para instalação de painéis solares. De acordo com a Comerc, empresa especializada no segmento, o consumidor (abastecido pela Enel) que resolver colocar energia solar em sua casa terá o retorno do investimento em 2,7 anos. Isto levando em consideração apenas um painel.
Segundo o Portal Solar, que reúne informações e dados sobre o setor, o preço do equipamento começa a partir de R$ 10 mil, que é suficiente para atender uma casa com dois moradores. Caso a residência tenha quatro habitantes, o valor passa para R$ 40 mil.

Burocracia pode ser entrave
Dados da Absolar mostram que atualmente o país tem cerca de 760 megawatts (MW) instalados em sistemas de geração solar apenas de consumidores e a previsão é que até o final do ano este valor chegue a 1 mil, o dobro do registrado em 2018 (450 MW). Apesar dos bons números, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estuda rever os incentivos dados ao consumidor que utiliza este tipo de energia. Atualmente, quem produz mais do que usa, repassa a energia restante para rede elétrica. As novas regras entrarão em vigor em 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *