Entrevista com o candidato a prefeitura de Niterói Rodrigo Neves

Wellington Serrano

Rodrigo Neves, 40 anos, é sociólogo formado pela UFF. Casado com a pedagoga Fernanda, é pai de três filhos: Mayara, Carlos Eduardo e Marina. Em 1998, foi o vereador mais jovem da cidade, aos 21 anos. Em 2004, elegeu-se mais uma vez vereador como o candidato mais votado de Niterói. Em 2006, foi eleito deputado estadual e, em 2010, reeleito. Como secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, em 2011, criou o Renda Melhor, programa de combate à pobreza extrema, que apoia 35 mil moradores da cidade. Eleito prefeito em 2012, tirou do papel a maior obra de mobilidade da história da cidade, a TransOceânica, e entregou o túnel subterrâneo Ângela Fernandes, o Mergulhão.

A Tribuna – Porque o senhor quer ser reeleito o prefeito de Niterói?
Rodrigo Neves – Porque assumi a Prefeitura num momento mais difícil da cidade nas últimas décadas. Assim como a tragédia do Circo Niterói viveu outra tragédia na sua história, que foi a do Bumba. E isso afetou profundamente a cidade. Nós estávamos com orgulho ferido e o ocorrido desestruturou completamente a administração pública municipal. E foi neste contexto de dívidas, obras paradas, desassistência completa na área da saúde e de ausência da prefeitura, que nós encaramos essa crise sem precedentes como uma oportunidade para mudar o modelo de administração. Então, implantamos medidas que possibilitaram a reestruturação e modernização da prefeitura e, com isso, recuperamos os indicadores, reposicionamos a cidade como a primeira do Rio, resgatamos a autoestima e, especialmente, cumprimos todos os compromissos que assumimos com a sociedade para este primeiro mandato.

AT – Como está a situação hoje da Prefeitura?
RN – De muita tranquilidade. De acordo com ranking da Firjan de Boa Gestão Fiscal, entre 2013 e 2015, Niterói saiu da 43ª posição para segunda no Estado do Rio de Janeiro. Segundo o órgão, teve a melhor performance do Brasil. E isso se deve ao esforço de melhor aplicação de recursos públicos, de melhorar a qualidade do gasto publico e as despesas e, por outro lado, mesmo no contexto recessivo macroeconômico, nós ampliamos a receita corrente líquida da cidade, nos último três anos e meio, em mais do que o dobro durante o mesmo período da administração anterior, que administrou a cidade num contexto de crescimento da economia brasileira.

AT – Como se encontra a receita corrente líquida de Niterói?
RN – Avançando. Aumentou de R$ 900 milhões para R$ 1,2 bilhão, de 2008 a 2012 e novamente aumentou de R$ 1,2 bilhão para R$ 1,9 bilhão, de 2013 a 2016. Isso não é resultado por acaso, reflete a modernização da administração e a constituição de uma equipe competente, integra e dedicada e sem o aumentar as alíquotas de impostos nós aumentamos substantivamente a receita corrente líquida de Niterói. Quando nós assumimos Niterói tinha o quinto orçamento público do estado e hoje, nós temos a terceira posição só ficando atrás do Rio de Janeiro e de Duque de Caxias, ultrapassamos Macaé e Campos dos Goytacazes.

AT – A quantidade de empréstimos realizados, principalmente, o da TransOceânica, estão todos dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal?
RN – Sim. Temos a maior margem fiscal para obtenção de financiamentos e para viabilizar investimentos em infraestrutura no estado. A Lei de Responsabilidade Fiscal diz que você pode contratar até 120% da sua receita corrente líquida como eu aumentei para R$ 1,9 bilhão, significa que a gente pode contratar até R$ 2,4 bilhão. Contratamos a TransOceânica por R$ 292 milhões, o Programa de Modernização do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDS) custou R$ 25 milhões e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que é de R$ 60 milhões. Então nós temos R$ 370 milhões contratados o que significa que hoje nós não temos nem 20% da margem fiscal comprometida.

AT – Caso reeleito, qual o principal desafio?
RN – As despesas corrente. Temos dívidas que são o mau colesterol, que são dívidas com custeio com terceirizações de medidas com o custo da máquina. E temos financiamentos e acordos de cooperação que permitem investimentos em infraestrutura que retornam rapidamente. Esses R$ 292 milhões da TransOceânica, que vão ser pagos ao longo de 20 anos, é o colesterol bom, pois se pagam nos três primeiros anos porque agrega valor aos imóveis das pessoas, os investimentos em infraestrutura agregam valor a cidade, elevam a qualidade urbana e a qualidade de vida das pessoas. Bom ressaltar, que a imensa maioria das realizações e compromissos cumpridos nesse mandato, como a construção das escolas e do skatepark, são resultados de investimentos com recursos próprios, em função do verdadeiro choque da gestão pública, melhoria da despesa corrente e aumento da receita corrente líquida.

AT – Uma vez reeleito, quais seriam suas principais propostas?
RN – Na educação, vou ampliar o horário integral no ensino fundamental e melhorar ainda mais a qualidade do ensino. Na área da saúde, vou chegar em 100% de cobertura do Programa Médico de Família até 2018 e vamos implantar o Centro de Diagnóstico de Imagem, no antigo Santa Mônica. Vamos implantar o Programa ‘Remédio em Casa’ para garantir a distribuição gratuita de medicamentos aos usuários da rede municipal de saúde e a modernização e implantação da nova maternidade Alzira Reis, que vai ser a melhor maternidade pública municipal do Rio de Janeiro. Na área da mobilidade, vamos continuar investindo nas ciclovias, vamos fazer o mergulhão da Praça do Renascença, em parceria com a Ecoponte, e vamos concluir a implantação do BHS com terminal de integração no Largo da Batalha que vai levar o BRS até o Centro e a implantação de todos os dispositivos do Centro de Controle Operacional de Mobilidade, da NitTrans, em fases (setembro de 2016 e março de 2017), promovendo a dinamização do trânsito em toda a cidade e maior segurança.

AT – No seu Programa de Governo Participativo quais ações o senhor destaca para o próximo mandado?
RN – Até 2018 vou fazer a drenagem e pavimentação de todas as ruas da Região Oceânica. Na segurança, vamos avançar na ação integrada e articulada das políticas de segurança das três esferas de governo com o objetivo de reduzir a incidência de violência e criminalidade, ampliar e aprimorar as ações do Centro Integrado de Segurança Pública (CISP). Ampliar de 372 câmeras para 500 câmeras já em 2017 e ampliar o efetivo da Guarda Municipal para o quantitativo permitido pela lei federal (1000 guardas municipais). No turismo, vou ampliar as parcerias público privadas, como por exemplo, na implantação do Centro Municipal de Convenções de médio porte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + três =