Emoção marca o enterro de educadora executada em São Gonçalo

Pedro Conforte

Com cerca de 300 pessoas e muita emoção, foi enterrada nesta sexta-feira (27), Rosemary de Souza Pinto, de 52 anos, no Cemitério do Maruí, em Niterói. A educadora foi friamente executada na última quinta-feira (26), com dois tiros, na porta da escola onde é proprietária e diretora, no Marambaia em São Gonçalo. A Polícia Civil já descartou a possibilidade de latrocínio e foca as investigações agora nos autores e mandantes da execução.

Horas antes do enterro – que estava marcado para às 17 horas – dezenas de pessoas já se reuniam na porta da capela B do Cemitério do Maruí. Em meio a orações, canções e salvas de palmas, o corpo de Rosemary foi velado na presença de mais de 300 pessoas. A opinião era uânime sobre a diretora: trabalhadora e uma pessoa boa. Todos presentes estavam perplexos com a maneira brutal que ela morreu. Seu corpo foi velado e enterrado com bandeira da Escola de Ensino Fundamental.

O homicídio aconteceu por volta das 8 horas de quinta, quando dois homens passaram de moto em frente ao escola e chamaram por Rosemary. Testemunhas relataram que Rosemary chamou a vizinha da escola para fazer uma oração matinal. Enquanto esperava, a dupla chamou por ela e a executou. Ela chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), mas não resistiu aos ferimentos.

A Divisão de Homícidios continua realizando diligências para localizar os autores do assassinato. Eles investigam se o crime foi passional ou a possibilidade dela ter sido morta a mando do tráfico local, que insistia em atuar próximo a escola a contragosto de Rosemary. A Polícia segue analizando as imagens de câmeras que possam identificar os autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + catorze =