Em ano eleitoral, segurança pública vira moeda valiosa

A segurança pública colocou novamente em extremos opostos o governador Cláudio Castro (PL) e o prefeito de Niterói, Axel Grael (PDT). O motivo é o imbróglio para a renovação do convênio para o Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis). Entretanto, as negociações continuam em andamento e, enquanto o novo vínculo não é assinado, a PM montou um plano de contingência para manter o policiamento.

O vínculo atual expira neste sábado (21). Na quinta-feira (19), Castro causou surpresa ao anunciar que o governo estadual assumiria o financiamento do programa. O governador alegou que a “burocracia estaria atrapalhando o patrulhamento” porque a Prefeitura de Niterói teria adiado a assinatura do termo de acordo para renovação do programa, que garante um policiamento extra de 120 agentes nas ruas da cidade.

“O Governo do Rio vai assumir o pagamento da hora extra dos policiais militares que atuam na cidade. Não vamos permitir que a burocracia atrapalhe o patrulhamento nas ruas, o que traria riscos à segurança da população. O serviço deveria ser pago pela Prefeitura de Niterói, mas a assinatura do termo de acordo foi adiada pelo Município. Com a nossa decisão, vamos garantir que 120 PMs continuem trabalhando como agentes nos dias de folga e nas férias”, disse Castro.

Grael rebateu o governador e afirmou que a não assinatura da renovação do Proeis foi uma decisão unilateral do governo estadual. O prefeito recordou que a situação é similar à que ocorreu no ano passado, quando o Estado assumiu a organização da Operação Segurança Presente. Grael, contudo, reforçou que no que depender do município as negociações para a renovação do vínculo prosseguirão.

“Fui surpreendido hoje (quinta-feira) pela decisão unilateral do Governo do Estado de não assinar a renovação do programa. Graças a este programa mantido pela Prefeitura e ao Niterói Presente 60% dos policiais nas ruas de Niterói patrulhavam a cidade com financiamento do Município. Espero que a segurança do niteroiense esteja acima de quaisquer interesses políticos e que as negociações já em andamento entre os técnicos da Prefeitura e os técnicos do governo do Rio prossigam”, disse o prefeito.

Convênio para o Proeis venceu neste sábado (21) – Foto: Arquivo/A Tribuna

Embate às vésperas da eleição

Segundo fontes ligadas a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), a expectativa é de que a negociação para a renovação do Proeis seja concluída em até dez dias. O atraso teria sido causado por uma mudança em termos do novo acordo, realizado pelo Governo do Estado, mas que, ainda de acordo com o órgão municipal, já teriam sido superadas para a assinatura do novo vínculo. O texto agora está em análise nas procuradorias do Estado e do Município.

Dessa forma, ainda de acordo com a Seop, foi elaborado um plano de contingência, junto á Polícia Militar, para que a corporação assuma os custos do Proeis enquanto o novo vínculo não estiver em vigor, mantendo o patrulhamento.

Em nota, a Prefeitura de Niterói afirmou que “mantém a expectativa de que a assinatura do convênio avance, pautada única e exclusivamente pela segurança da população”.

Em lados opostos na política, não é de agora que Castro e Grael têm se estranhado. O primeiro é candidato do presidente Bolsonaro e filhos à reeleição para o cargo de governador, enquanto o segundo é apoiador do pré-candidato ao Palácio Guanabara, o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves (PDT). No anúncio feito na quinta-feira sobre o Proeis, Castro citou os deputados federais Carlos Jordy e Altineu Cortes, ambos do PL, rivais políticos de Neves.

“Por isso, sigo firme em meu compromisso de dar o suporte necessário às ações da PM, mantendo sempre o diálogo aberto com Altineu Cortes, Carlos Jordy e demais representantes políticos da população niteroiense”, disse o governador.

Axel Grael, por sua vez, disse achar estranho o imbróglio sobre a renovação do Proeis surgir às vésperas das eleições e afirmou estar determinado para que as negociações para a renovação do vínculo prossigam sem motivação eleitoral.

“Causa estranhamento que o governo, às vésperas de uma eleição, queira suspender o convênio que há tantos anos beneficia a população de Niterói. Niterói alcançou nesse período os menores índices de criminalidade do Estado, devido a estas ações somadas a um amplo pacote de investimentos da Prefeitura de Niterói em prevenção, tecnologia e inteligência”, completou o prefeito.

Troca de farpas – No último dia 27 de abril, durante a inauguração do novo posto do Detran-RJ em São Gonçalo, Cláudio Castro atacou Axel Grael e acusou a Prefeitura de Niterói de não trabalhar em parceria com o Governo do Estado quando questionado sobre a possibilidade de haver um hospital de alta complexidade na Região Oceânica. Em sua defesa, o prefeito listou uma série de ações postas em prática na cidade em parceria com o Palácio Guanabara.

“A Saúde está estudando. Temos hospitais em São Gonçalo e estamos construindo mais um. [Em Niterói] não há demanda da Prefeitura para construção hoje. A gente tem feito isso em parceria entre Estado e Município, mas às vezes o Município de Niterói prefere andar autossuficiente ao invés de dialogar, como os outros 91 [municípios] têm feito. Ao ser demandado, com certeza investiremos”, disse Castro.

“A Prefeitura de Niterói que está sempre aberta ao diálogo com o Governo do Estado e, inclusive, já realizou uma série de parcerias bem sucedidas com o estado nos últimos anos. Restaurante Popular, Biblioteca Parque, Sistema de Sirenes, CIEPs, Segurança”, rebateu a Prefeitura na ocasião.

Como sempre, quem sobre com esse cabo de guerra é a população, que acaba ficando apreensiva sobre um dos problemas mais graves das grandes cidades, que é justamente a segurança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.