Em meio à polaridade, Fabiano Gonçalves afirma: ‘sou um construtor de pontes’

As eleições de 2022 estão pautadas no embate entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula (PT). Contudo, o vereador Fabiano Gonçalves (Cidadania), que irá concorrer a uma vaga como deputado federal em outubro, tenta ficar de fora desse debate, mas não em cima do muro. Segundo ele, e a sua atuação na Câmara de Niterói, o diálogo entre esquerda e direita é o mais importante, e assim, se coloca como um “construtor de pontes”.

“Entrando nesse assunto de dualismo esquerda e direita, quando me perguntam sobre qual lado do muro estou, eu digo que não tem muro. Sou um fazedor de pontes, eu uno vocês. Me dou bem com os dois espectros. Entendo que a minha missão na terra é unir pessoas”, afirma Fabiano, que disse que adquiriu essa experiência quando participou de seguidas gestões na Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói, e na Federação do Rio de Janeiro, seja como diretor financeiro, vice-presidente e presidente.

A partir do dia 10, o vereador irá dividir as atenções da campanha para a Câmara dos Deputados com a presidência da Federação das CDL’s no Estado. Segundo ele, será uma gestão de continuidade e aproximação, destacando a integração entre as entidades e os canais abertos com Alerj, Firjan, Fecomércio, entre outros órgãos.

Eleito em 2020, Fabiano Gonçalves teve a primeira experiência como parlamentar na vida política. Entre as ações no Poder Legislativo, o vereador destacou alguns projetos que foram aprovados, como o plano de Cargos, Carreiras e Salários, que prevê, entre outras atribuições, a criação de concurso público na Câmara Municipal; e a prorrogação dos alvarás de autorização prévia até mais de dois períodos de 180 dias, o que contribuiu com a desburocratização para a classe empreendedora.

No entanto, ele lembrou de uma derrota em votação, como no projeto que previa a autorização de um dispositivo bloqueador de ar nos hidrômetros. De acordo com Fabiano, foi provado no plenário que chegava ar nas cisternas de moradores da cidade, com a conta registrando a chegada de água, sem diminuir o valor da cobrança. Na votação, o parlamentar viu colegas da base política se absterem ou votarem contra o que, para ele, trouxe um aprendizado.

“Tive um grande aprendizado. Começamos com a pandemia, não tinha pessoas na plenária, era uma coisa bem restrita, não tivemos recesso. Trabalhei bastante, uma demanda forte no gabinete, fica aberto de segunda a sexta de 9h até as 17h. Indo para a rua, fazendo matéria de rua, Ouvindo a população. Defendendo as pautas que considero importante para o governo, criticando as que não estou de acordo”, disse, que ainda acrescentou destacando uma emenda que se tornou um projeto importante: a dragagem do Canal de São Lourenço.

“Foi uma emenda do nosso mandato em 2021, na LOA, que dobramos o investimento, cerca de 78 milhões para a dragagem do canal de São Lourenço. Fruto dessa emenda, esse projeto o edital vai para a rua essa semana, pois tem essa previsão orçamentária. E acredito que vai ser a grande virada para Niterói, pois vai permitir que embarcações de médio porte adentrem em nossos estaleiros e nossos portos de apoio naval e as offshore. Acho que isso vai ser vital para manter a economia de Niterói pujante”, garantiu.

Antes de ser eleito, Fabiano foi secretário de Desenvolvimento em 2015, e secretário de Administração em 2016, durante o governo Rodrigo Neves (PDT). Durante as gestões, o candidato a deputado diz que teve dois aprendizados diferentes. Primeiro, criou a Casa do Empreendedor, o que segundo ele, ajudou cidadãos que gostariam de começar a empreender, mas possuíam dificuldade, principalmente, por causa de toda burocracia que envolvia, mas que foi um marco na cidade. Fabiano também citou o Mercado Popular do Largo da Batalha, abertura da Rua Visconde de Uruguai, na elaboração da lei de hotéis na época da JMJ.

“Essas ações eu tenho certeza de que desenvolvem o local. O poder público não tem o poder de fazer, mas pode ser o indutor, e é nisso que acredito. Enquanto fui secretário trabalhei muito nessa indução. Criamos na Casa do Empreendedor um ambiente em que o cidadão entrava pessoa física, e saia pessoa jurídica. Isso proporcionou que Niterói ganhasse uma relevância absurda nessa questão de abertura de MEI’s. A Junta Comercial ficou mais de 40 anos fora de Niterói. A Casa do Empreendedor foi mais para o final daquele ano, e foram duas coisas que transformaram a cidade”, destacou.

Depois, na Administração, ainda com os mesmos valores, Fabiano relatou que viu de perto as demandas e necessidades do servidor público, e trabalhou para modernizar a gestão da pasta. Exemplo disso, foi a instalação de catracas e câmeras na sede da prefeitura de Niterói, além de criar um arquivo digital para os processos da administração pública, que foram digitalizados.

“Lá começamos um outro trabalho, com uma dinâmica completamente diferente, mas com os mesmos valores. Ali o seu público-alvo é o servidor e os contribuintes. Fizemos a contratação da brigada de incêndio não só para lá, mas para todos os outros prédios ligados a administração do município. Tive experiências maravilhosas e outras nem tanto. Fizemos o controle de acesso a Prefeitura e, no dia seguinte, chegamos cedo para trabalhar e tinha uma mala deixada no décimo andar, onde ficava a secretaria”, relembrou o candidato, que disse que tudo foi resolvido.

Sobre a candidatura para deputado federal, Fabiano disse que aceitou o desafio, pois viu que poderia dar esse “passo além”. E concluiu dizendo sobre a pauta principal.

“Conversei com minha esposa, meus filhos, com meus pares políticos e entendo que é o momento. Entendo que a política fluminense está carente de bons nomes. Principalmente na área que eu milito, que é empregabilidade. Somente empresas geram empregos. O poder público gera nomeação, cargo. Empresa gera emprego. O Brasil está precisando de emprego. Essa é a maior inclusão social. Fazer com que o filho do cidadão tenha possibilidade de ficar empregado”, concluiu.