Em busca de novos talentos da Região Metropolitana

Niterói recentemente vem se destacando nos esportes praianos, como a canoa havaiana, futevôlei, handebol de praia, beach tennis. Mas a cidade que teve um dos clubes mais antigos de futebol, o Rio Cricket, que organizou a primeira partida de futebol do Rio, em 1901, e o Canto do Rio, que esteve
por anos na elite do futebol estadual, ainda possui pessoas dispostas a levar colocar o nome do município em evidência no mundo da bola.

É o caso do Niterói Futebol Clube, projeto que surgiu em 2012 como escolinha, mas que deu um passo além e desde então forma atletas de alto rendimento para os grandes clubes do Rio de Janeiro, e de todo o país. Atualmente, são mais de duzentos atletas, nas categorias de 12 até 17 anos, que moram por Niterói, São Gonçalo, Maricá, Itaboraí, Quintino, Mesquita, Cachoeira de Macacu, Cabo Frio, Saquarema, Rio Bonito, Magé e Tanguá.

Alguns atletas se destacaram e foram contratados para o Fluminense, Atlético-MG, Internacional, Atlético-GO e Internacional, todos da elite do futebol brasileiro, segundo Bruno Corrêa, presidente e coordenador do projeto. Em entrevista ao jornal A TRIBUNA, Bruno diz que cuida de praticamente tudo do Niterói. Desde a coordenação das categorias, supervisão, e até as atividades no Gradim, local de treinamentos, por ser um dos treinadores. De acordo com o responsável pelo clube, o projeto possui equipes de sub-12, sub-13, sub-15 e sub-17, sendo essas duas categorias como uma parceria com o Gonçalense.

Os garotos representam o clube no Campeonato Carioca e no Metropolitano. Há a intenção de disputar o
Brasileirinho Sub-14 e Sub-15, que ocorre nos próximos meses, mas a falta de apoio e o custo alto podem evitar a ida. Esta é uma das dificuldades que o presidente aponta para realização do projeto, o que acaba sendo um obstáculo para uma melhor estruturação do clube, e atrasa o objetivo de um dia formar uma equipe profissional do Niterói Futebol Clube.

“Sempre foi com a base, mas temos sim pretensões de formar equipe profissional. Antes precisamos nos
estruturar primeiro. Falta apoio e recursos financeiros. Niterói não tem nenhum campo, o único que tinha era o da Liga Niteroiense no Gragoatá, e acabaram com ele”, disse o responsável, que realiza os treinamentos em São Gonçalo, e manda os jogos no clube Mauá.

Pequenos passos, mas que representam avanços importantes para o Niterói, que começa a fazer seu nome nas categorias inferiores. São títulos na Liga Niteroiense, Gonçalense, e competições interestaduais como a Copa ABS Minas e Copa Sino. Em 2019, faltou pouco para o time Sub-17 chegar à Série A, mas o acesso ocorreu com o sub-13 e sub-14. Os “garotos de Nikity” vão disputar a Série Prata do Metropolitano neste ano.

Foto destaque: JOGADORES do Niterói Futebol Clube posam com a taça da Copa Sino – Arquivo Pessoal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.