Dragagem do Canal São Lourenço terá impacto ambiental estudado este mês

Anderson Carvalho –

A empresa Concremat, que venceu recente licitação para fazer o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) para dragagem do Canal de São Lourenço, apresentará na próxima semana calendário para aprovação dos estudos para aprovação dos órgãos que vão avaliar. Estes são o Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Ontem, representantes da empresa reuniram-se com representantes da Secretaria de Desenvolvimento de Niterói e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico.

As análises de campo começam este mês e têm prazo de nove meses para a conclusão. A dragagem do Canal de São Lourenço é de responsabilidade do governo federal e, com o objetivo de agilizar a obra, considerada importante para o setor naval, a prefeitura comprometeu-se a fazer o EIA/Rima. O levantamento foi uma exigência do Inea e antecede as obras de revitalização do canal. “A dragagem vai melhorar a navegação e torná-la mais segura. Navios maiores poderão entrar lá também para serem reparados nos estaleiros. Além disso, vai reduzir a poluição na área, que está assoreada e cheia de lama”, contou João Guerra, dono do estaleiro Camorim, localizado na Ilha da Conceição, próximo ao canal.

O EIA/Rima será realizado pelo custo de R$ 599.856. A expectativa é que a obra gere economia de até 30% nos trabalhos atuais dos estaleiros e melhore a vida marinha. O processo de desassoreamento já dura 20 anos. Hoje, os dejetos continuam sendo depositados no fundo do mar. As embarcações grandes continuam sem conseguir chegar na base dos estaleiros, devido à quantidade de lixo depositado. A profundidade atual é de cerca de cinco metros e com a limpeza alguns pontos chegarão aos sete metros. Enquanto o assoreamento não é feito, os metalúrgicos que trabalham nos estaleiros continuam sendo mandados para fazer trabalhos, como pinturas, reparos e soldas, por exemplo, em plataformas instaladas longe da base.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *