Doze imóveis são interditados após novos deslizamentos

Raquel Morais –

A chuva da madrugada e manhã de ontem (26) deixou lastros em Niterói e colocou a cidade em estágio de alerta. Após 16 dias da tragédia que vitimou 15 pessoas no Morro da Boa Esperança, em Piratininga, na Região Oceânica, Charitas e Jurujuba foram os bairros mais assolados pelo temporal de ontem. Deslizamento de terra, queda de muro e ruas alagadas foram alguns dos estragos que a tempestade provocou. Mais uma vez o mapeamento das áreas de risco feito pela Prefeitura de Niterói foi questionado pela população, assim como a cobrança da instalação de uma sirene de alerta em Jurujuba.
Informações da Defesa Civil estadual mostraram que às 6h28min a sirene de alerta da comunidade do Preventório, em Charitas, foi acionada. Um deslizamento de terra dentro da comunidade atingiu uma casa, mas os cinco moradores não se feriram e conseguiram deixar o imóvel antes do ocorrido.

Já na comunidade do Peixe Galo, em Jurujuba, na altura do Clube Naval, parte do morro também cedeu e chegou a atingir um ônibus, mas também ninguém ficou ferido. A quantidade de terra foi tão grande que deixou parte da Avenida Carlos Ermelindo Marins, única via de acesso ao bairro, interditada, além de um imóvel, que também foi interditado preventivamente. Na mesma rua, na altura do Projeto Grael, um muro caiu com a força da água e uma retroescavadeira teve que ser usada para remover os escombros.

“No Morro do Preventório três equipes da Defesa Civil trabalharam na análise das residências. Já no Peixe Galo outras equipes fizeram o mesmo. Essas vistorias são fundamentais para justificar, ou não, a interdição”, explicou o coronel Antony Barreira, da Defesa Civil estadual, que ressaltou que o índice pluviométrico na região chegou aos 101 milímetros, enquanto o índice considerado normal seria de 40mm.

Já a Defesa Civil de Niterói informou que choveu em uma hora 87,4 mm, 70% do esperado para todo o mês de novembro na comunidade do Preventório.

“Ficamos de prontidão desde as primeiras horas da madrugada e é importante que a população obedeça aos sinais e às orientações da Defesa Civil, como a evacuação do imóvel se a sirene tocar e até mensagens pelo telefone celular. Também já pedimos ao Estado a instalação de duas sirenes de alerta em Jurujuba”, pontuou o tenente-coronel Wallace Medeiros, secretário de Defesa Civil de Niterói.

Em nota, a Secretaria de Estado de Defesa Civil não precisou quando serão instaladas as sirenes em Jurujuba. Limitou-se a dizer que “tratativas estão em andamento para que o Estado auxilie a Defesa Civil local: o que inclui a instalação de três sirenes não contempladas no projeto inicial, que foram remanejadas para áreas consideradas de risco na cidade. Providências estão sendo tomadas para que a empresa responsável pelos equipamentos finalize a instalação dos mesmos”.

DRAMA DAS FAMÍLIAS
A aposentada Maria Célia da Silva, de 75 anos, mora no Peixe Galo há mais de 60 anos e ficou em pânico com a tragédia. “Fiquei com muito medo de acontecer algo pior e é a primeira vez que passei por uma situação dessa. Fui colocar o lixo na rua e vi o que tinha acontecido com meu bairro. Peguei meus netos e saí correndo para a rua, com medo de algo pior acontecer”, comentou.

O vizinho dela, Celso Borges, de 71 anos, é nascido e criado no bairro e também relatou os momentos de pânico que viveu.

“Ouvi o barulho e não dei importância, pois achei que fosse um acidente de carro. Quando abri a porta vi todo o entulho na rua e pessoas apavoradas na rua”, pontuou.

O presidente da Associação de Moradores de Jurujuba, Marcelo Melo, ressaltou a importância da Prefeitura de Niterói finalizar o mapeamento das áreas de risco e as possíveis obras para evitar desastres como esse. “Temos pontos com necessidade de contenção, mas as obras não começam. Sei que todos os bairros precisam de melhorias, mas a prioridade tem que ser Jurujuba”, concluiu.

Segundo nota da Prefeitura de Niterói, equipes da Defesa Civil que estavam de prontidão acionaram a sirene da localidade por medida de prevenção, devido ao volume de chuvas na região. O ponto de apoio da comunidade foi aberto e a Defesa Civil auxiliou moradores a se deslocarem para o local em segurança. Equipes do Samu e da Secretaria de Assistência Social receberam os moradores. O Preventório conta com um Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Nudec). Equipes da Clin e da Secretaria de Conservação trabalharam na limpeza e desobstrução do local onde houve deslizamento no Morro Peixe Galo e 150 profissionais da Defesa Civil de Niterói, e das secretarias Conservação, Assistência Social, Saúde e Companhia de Limpeza atuaram na região.

TRÂNSITO
Por conta da forte chuva, o trânsito ficou muito congestionado durante as primeiras horas da manhã. Entre 6h30min e 9h motoristas chegaram a levar duas horas para atravessar o túnel Charitas-Cafubá. A travessia na Ponte Rio-Niterói, sentido Rio, chegou a uma hora, enquanto o tempo médio no mesmo período é de 20 minutos.

FALTA DE ENERGIA
O temporal e a ventania afetou lojas e residências de pelo menos três bairros, que ficaram sem energia durante a manhã de ontem. Houve locais no Centro que a energia só voltou quatro horas depois. O Terminal Rodoviário João Goulart foi um dos pontos mais afetados. A Enel informou que equipes estiveram nas localidades mais atingidas no Centro, São Lourenço, Jurujuba e Pendotiba. O serviço foi restabelecido no fim da tarde.

MORRO DA BOA ESPERANÇA
No último dia 10, o deslizamento de uma rocha matou 15 pessoas e deixou 22 famílias desalojadas no Morro da Boa Esperança, em Piratininga. A Escola Municipal Francisco Portugal Neves, em Piratininga, virou uma base de apoio para doações e distribuições. As Comissões de direitos humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e da Câmara Municipal de Niterói estão investigando os documentos das famílias atingidas pelo talude. A Prefeitura de Niterói divulgou mapeamento das áreas de risco, que reconhecia o Morro da Boa Esperança como sendo de risco médio. No início do ano, relatório apontava que seriam necessários R$ 343.683,61 para a realização das obras nessa comunidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *