Disputa entre sócios ameaça o Hospital Geral do Ingá

Anderson Carvalho

O Hospital Geral do Ingá, fundado há 48 anos e que funciona na Rua Presidente Pedreira, 26, no bairro do Ingá, é alvo de briga entre os seus 13 sócios. Em 2014 entrou no Programa de Recuperação Fiscal da Prefeitura de Niterói. Alguns sócios alegaram a existência de uma dívida do Município com a unidade, mas a Secretaria Municipal de Fazenda preferiu não se manifestar sobre o assunto alegando sigilo fiscal. A direção da unidade vai inaugurar o 6º andar, que fora reformado, na próxima semana.

“Estamos com o 6º andar em obras. Terá mais apartamentos privativos, que irão se somar aos outros dois que já existem. O hospital tem ainda outros dois andares só de enfermaria, além de emergência 24 horas. Após concluir o 6º, vamos reformar o 5º pavimento. Não temos convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS). Na próxima semana iremos reinaugurar a recepção. Não há risco de fechar. O que acontece é que quatro sócios são contra a recuperação do hospital porque querem vender o terreno”, contou Fabiana Veras, diretora de Recursos Humanos do HGI.

O hospital é dirigido desde março do ano passado pelo urologista Luiz Otávio de Souza Nazar, de 36 anos, filho do médico Aparecido Nazar, um dos fundadores da unidade. No último dia 21 houve assembleia geral com todos os 13 sócios, onde foi votado o aumento do capital social em R$ 1,6 milhão, além da confirmação da eleição e posse da diretoria e do conselho fiscal, eleitos em março do ano passado. Antes referência em nefrologia em Niterói, foi transformado em hospital geral em 1997 e em 2015 teve a sua venda anunciada, mas não concretizada. Desde então, os sócios não mais se entenderam.

O hospital foi fundado em 3 de novembro de 1968 como Instituto de Urologia e Nefrologia pelos médicos Alberto Motta, Othon de Assis Vieira, Eufrônio José de Almeida, Waldemar Pereira da Silva, Nilton Velmovitsky, Jorge Ferreira Gomes, Ronaldo Guimarães da Silveira, Pedro Ivo Ravizzini, Henrique Cesar Teixeira Neves, Arnaldo Ruiz Sabroso, Aparecido Nazar, Ricardo Luiz Coutinho de Souza, Maurício Ricardo Magalhães, Eduardo Imbassahy e Mauro do Couto, em proporções iguais de cotas e fração dos imóveis e dependências.

Ainda nos anos 1970 retiraram-se da sociedade os dois últimos sócios citados e os 13 remanescentes dividiram as cotas. Com o falecimento dos sete primeiros sócios fundadores as suas ações e cotas dos imóveis pertencem hoje aos seus espólios e herdeiros.

Procurada, a Fundação Municipal de Saúde informou que o hospital não é conveniado ao Sistema Único de Saúde (SUS). Em agosto de 2015, a Vigilância Sanitária mandou suspender todas as cirurgias na unidade. Já a suposta dívida da prefeitura com o hospital viria desde a última gestão do ex-prefeito Jorge Roberto Silveira (2009-2012).
O grupo de quatro sócios que diverge da atual direção foi procurado, mas não encontrado.

One thought on “Disputa entre sócios ameaça o Hospital Geral do Ingá

  • 16 de agosto de 2017 em 18:25
    Permalink

    Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigado 🙂

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =