Dia Mundial sem Tabaco é comemorado no próximo dia 31

O Dia Mundial sem Tabaco é comemorado no próximo dia 31, quarta-feira, e o tema da campanha deste ano será: Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento, coordenada no Brasil pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA). Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde 2013, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil 21.204 milhões de pessoas com mais de 18 anos são fumantes, isso representa 14,5% da população do país. Em todo Rio de Janeiro 1.597 milhões de pessoas no mesmo perfil também fumam, sendo 877 mil homens e 720 mil mulheres, ou 15,2% e 10,3% respectivamente.

Segundo nota do INCA a epidemia global do tabaco mata quase 6 milhões de pessoas por ano, das quais mais de 600 mil são não fumantes, vítimas do fumo passivo. Sem alterações de cenário, estão previstas mais de 8 milhões de mortes por ano a partir de 2030. Mais de 80% dessas mortes evitáveis atingirão pessoas que vivem em países de baixa e média renda. A advogada Karla Figueiredo, 40 anos, fuma há mais de 15 anos e só conseguiu parar o vício quando engravidou. “Mas logo depois voltei a fumar. É muito difícil e já tentei adesivo, simpatia e muita oração. Mas é muito complicado e meu marido também fuma, o que complica ainda mais”, explicou.

A psiquiatra Analice Gigliotti, chefe do setor de Dependência Química da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro e diretora da EspaçoClif, explicou que existe uma metodologia inspirada nos Estados Unidos para facilitar as crises de abstinência. Segundo nota, a base do tratamento envolve a imersão do paciente em local adequado para sua recuperação. “Esse é um método científico, com comprovações tangíveis, e que proporciona ao especialista detectar o obstáculo emocional de cada paciente para ele parar de fumar. Consigo, então, ir direto aos paredões criados pelo fumante e que lhe dificultavam, até então, realizar com eficácia o tratamento adequado”, explicou a especialista que apontou que 57% conseguem largar o cigarro.

Em São Gonçalo a secretaria de Saúde informou que realiza reuniões de grupo de tabagismo em dezenas de unidades de Estratégia de Saúde da Família (ESF). Somente em 2016, mil pessoas concluíram o tratamento contra o tabaco. A estimativa para 2017 é de que número de pacientes em tratamento continue igual. “O fumo é um vício considerado uma doença de saúde pública mundial e a mudança de hábito é fundamental para obter êxito no tratamento”, conclui o secretário municipal de Saúde, Dimas Gadelha. Já questionada, a Prefeitura de Niterói não se manifestou sobre o assunto até o fechamento dessa edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − treze =