Dia de limpeza em Niterói e São Gonçalo

Raquel Morais

Quem acha que sábado é dia da faxina não viu a realidade de muitos gonçalenses ontem. A quinta-feira dia de literalmente “levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima”. Bairros como Neves, Jardim Catarina e Alcântara foram assolados pelo temporal da última quarta-feira, que atingiu a marca de 93 milímetros em três horas. Muitas ruas amanheceram com lama e lixo espalhado. Moradores tiveram as casas invadidas pela água e muitos perderam os móveis. Em Niterói algumas ruas também amanheceram com lama e equipes da limpeza pública começaram o trabalho bem cedo, como por exemplo, o valão da Avenida Almirante Ary Parreiras, em Icaraí, que foi limpo nas primeiras horas de ontem.

Na Rua Marechal Floriano Peixoto, em Neves, São Gonçalo, a situação estava crítica até a tarde de ontem. Parte da rua, na altura do número 200, estava repleta de lama. “No momento que eu estava me preparando para me aposentar eu perdi todos os meus móveis. Eu estou muito triste e não sei como vou conseguir me reerguer”, explicou Maria da Paz, 60 anos.

Vizinho de rua, o cozinheiro João Batista, de 43 anos, usou da simplicidade para conseguir reagir à tragédia. “Quando cheguei na rua vi que tinha um metro de altura de água com esgoto. Respirei fundo e tive que sair de casa. Depois voltei, coloquei uma bermuda e comecei a limpar minha casa, tirar a lama e lavar tudo. Sei que vou demorar, perdi meu dia de trabalho, mas tenho que seguir e consertar a minha casa”, comentou.

A manicure Flávia Verônica, de 31 anos, mora de aluguel na Rua Oliveira Botelho há pouco mais de um ano e não tinha ideia que o local alagava em dias de chuva. “Foi a primeira e última vez que aconteceu isso comigo. Vou procurar outro lugar para morar. Eu perdi tudo da minha casa e consegui salvar apenas algumas peças de roupas, que vou pedir para alguém lavar para mim”, contou. Uma comerciante do ramo de alumínio também passou o dia de ontem limpando sua loja. “Tive que quebrar um buraco no chão da loja para a água descer. Sorte que não perdi material de trabalho, mas perdi tempo e dia de serviço”, explicou a lojista, que não quis se identificar.

A Defesa Civil de São Gonçalo informou que recebeu sete solicitações: alagamento em Neves e Venda da Cruz, queda de muro no Pita, risco de queda de muro no Barro Vermelho, queda de muro e árvore no Jardim Fluminense, risco de deslizamento no Porto Velho e risco de queda de árvore no Boa Vista. O Departamento de Conservação e Obras realizou a limpeza dos bueiros ao longo desta quinta-feira. Caso a população perceba comprometimento estrutural nas residências, chamar a Defesa Civil através dos números 199 ou 2601-0199.

Em Niterói, as ruas Craveiro Lopes e Galvão, no Barreto, ficaram sujas e moradores tiveram que lavar as calçadas para começar bem a quinta-feira. Na Rua Santo Antônio, no Centro, a lama também atrapalhou o dia de quem estava treinando a direção em motocicletas. A Prefeitura de Niterói informou que já foram removidas cerca de 50 toneladas de resíduos (varrição e lama) e que a Clin iniciou a atuação imediatamente após a chuva. Diz ainda que a região onde fica localizado o Colégio Pedro II foi uma das que teve maior índice pluvial e o escoamento se deu de forma rápida. As equipes da Seconser trabalharam desde o início da chuva para minimizar seus impactos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =