Dia da Consciência Negra terá Mart’nália e Velha Guarda da Mangueira em Niterói

A 11ª edição do “Viva Zumbi Niterói” terá um dia inteiro com apresentações artísticas e culturais com o principal objetivo de valorizar a história, a religiosidade e a cultura do povo negro. O evento, que terá início às 10h desta quarta-feira (20), integra a Semana da Cultura Negra, que foi incluída no calendário oficial da cidade em 2014, com a aprovação do Estatuto Municipal de Igualdade Racial.

O evento conta com a Feira Baobá, tenda do acarajé, tenda de capoeira, feijoada gratuita (às 13h), rodas de debates, lavagem da estátua de Zumbi, feira de artesanato, comidas típicas, exposição de fotografia e de roupas de matrizes africanas e Feira Literária, além de uma roda de jongo, e apresentações com grupos e artistas, como o Ás de Ouro, Baque Mulher, Moça Prosa, Linda Baobá, Baile Black, entre outros. A festa se encerra, a partir das 17h, com shows da Velha Guarda da Mangueira e da cantora Mart’nália. A entrada é livre e gratuita.

As atrações:

Mart’nália – Mart’nália samba desde que nasceu. Desde muito pequena, acompanhava o pai, Martinho da Vola, nas rodas de samba de Vila Isabel e foi assim que se apaixonou pela música. Foi lá que se aproximou ao mundo do samba, aprendeu a sambar, cantar, tocar violão e pandeiro.

Entre as décadas de 80 e 90, chegou a gravar dois discos “de brincadeira”, como ela mesma gosta de dizer. Em 2002, lançou seu terceiro álbum, “Pé do meu Samba”, que ela considera seu primeiro “de verdade”, produzido por Celso Fonseca e dirigido por Caetano Veloso. O trabalho foi unanimemente elogiado pela crítica e rendeu uma longa e produtiva temporada de shows, registrada em CD e DVD.

Em 2006, foi indicada ao Grammy como o melhor CD de samba gravado ao VIVO “Mart’nália em Berlim”, lançado em 2007. Em 2008, faz show no Festival de Montreaux, Londres, Amsterdã, Tubigen, Lisboa, Nova Iorque e Miami, fechando o ano com chave de ouro no Reveillon de Copacabana, quando cantou para um publico estimado em dois milhões e meio de pessoas.

Em 2010, a cantora participou do renomado Festival Back 2 Black e participou no disco do pai, cantando o samba enredo da Vila Isabel sobre Noel Rosa. Em abril, Mart’nália organizou uma Roda de Semba – ritmo angolano – para o DVD África, com ilustres convidados como Gilberto Gil, Carlinhos Brown, Martinho da Vila e Mayra Andrade (de Cabo Verde).

Amparada nos arranjos sempre elegantes de Celso Fonseca em parceria com o saudosíssimo baixista Arthur Maia, a artista lançou em 2019 seu mais recente álbum “Mart’nália canta Vinicius de Moraes”. Sua voz a um tempo rasgada e suave, pé do nosso samba, traduz o amor pelas mulheres, a compaixão pelos desfavorecidos, a impaciência com os medíocres, tudo o que é motivação para os versos sempre tão bem construídos de Vinicius, numa linguagem íntima porém desacorrentada.

Velha Guarda da Mangueira – Fundada em 10 de Julho de 1956, por Cartola, Carlos Cachaça, Aluísio Dias e outros bambas da Verde e Rosa, a Velha Guarda Musical da Mangueira é formada por alguns dos mais experientes e melhores músicos da Escola e também um dos grupos musicais mais populares do Brasil. São 63 anos fomentando o Samba por todo o país e no exterior.

Ao longo dos anos, a Velha-Guarda teve vida incerta e sumiu durante longos períodos, reunindo-se esporadicamente para shows, com formação inconstante. Nesses períodos trazia em seu repertório sambas de terreiro, clássicos de Carlos Cachaça, Cartola e Nelson Cavaquinho, e, ainda, composições dos novos valores que iam tomando corpo na comunidade mangueirense.

Em 1986, o grupo voltou a se reunir, desta vez, liderado por Aluízio Dias, Darcy da Mangueira e mestre Aryzinho. Dois anos depois, em 1988, o produtor japonês Katsunori Tanaka conheceu os compositores da Mangueira e teve a ideia de produzir um disco com a “Velha-Guarda”, lançado só ano seguinte.

Em 2017, o cineasta Pedro Von Krueger fez sessão de pré-estreia do documentário “Memória em Verde e Rosa”. O filme conta a história de vários integrantes da Velha Guarda e de outros personagens importantes da Mangueira, tendo o cantor e compositor Tantinho da Mangueira como fio condutor das histórias narradas e lembranças de fatos com Cartola, Nélson Cavaquinho e Padeirinho, além de entrevistas com Seu Nego, Nélson Sargento e Delegado, entre outros.

Com uma discografia que já soma uma dezena de trabalhos, neste ano de 2019, o grupo lançou o CD “Velha Guarda Musical da Mangueira, Canta Geraldo Pereira”, produzido para celebrar o centenário do compositor mangueirense e que contou com participações especiais de Alcione, Maria Bethânia, Leci Brandão, Zeca Pagodinho e Nelson Sargento.

SERVIÇO
11º Viva Zumbi no Dia da Consciência Negra (a partir das 10h)
Show com a cantora Mart’nália e a Velha Guarda da Mangueira
Data: 20 de novembro, quarta-feira
Horário: a partir das 10h
Local: Praça da Cantareira, São Domingos – Niterói

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *