DER promete retomar manutenção de rodovias estaduais em algumas semanas

Raquel Morais –

Mato alto no acostamento, areia e crescimento de vegetação ao lado de muretas que dividem as pistas. Os problemas nas RJs 104 e 106 colocam em risco os motoristas que trafegam por lá, além de pedestres que trafegam literalmente pela via. Há também a falta de proteção em alguns trechos, como os do acidente no viaduto de Maria Paula, e passarelas com ferrugens expostas nos corrimãos, como na altura de Santa Bárbara, por exemplo. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) informou que existe uma expectativa de que os serviços de manutenção sejam retomados dentro de algumas semanas.

Na Rodovia Amaral Peixoto, no trecho da RJ-104, na subida da Caixa D’Água o mato está tomando conta do acostamento da via e do trecho central, que divide as pistas sentido Niterói. Na altura de Santa Bárbara muitas muretas também estão quebradas, além da passarela estar sem manutenção com muita ferrugem. Mais à frente, no viaduto de Maria Paula, a mureta de proteção da via ainda não foi consertada. Um acidente de ônibus danificou o concreto em 2015 e até hoje não foi consertado, com muito mato que já nasceu no espaço. Também na altura de Maria Paula chama atenção a quantidade de lixo que está acumulado no acostamento na via sentido São Gonçalo, na altura do quilômetro 5.

Na continuação da estrada, já na RJ-106, na altura de Tribobó, o mato alto praticamente bloqueia a visão no início da via. Os pedestres andam ao lado dos carros, que passam em alta velocidade, pela falta de um espaço para eles. No Arsenal, muitos pedestres se arriscam para atravessar a pista por não ter uma passarela. Na altura do quilômetro 3, a placa indicativa da própria quilometragem está coberta pelo matagal.

O DER-RJ informou em nota que está ciente dos problemas citados nas rodovias citadas e aguarda o reequilíbrio das finanças do estado para regularizar os serviços relacionados à manutenção rotineira das vias. O órgão segue monitorando as condições de trafegabilidade da estrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + 17 =