Delegados são intimados a depor em julgamento de filhos de Flordelis

Estão definidas as testemunhas que irão prestar depoimento no julgamento de Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas Cézar dos Santos de Souza, filhos da ex-deputada federal Flordelis dos Santos de Souza. Eles serão os primeiros acusados da morte do pastor Anderson do Carmo que serão submetidos ao Tribunal do Júri, o que acontecerá no dia 23 de novembro.

Entre os intimados a depois estão os delegados de Polícia Civil Bárbara Lomba Bueno e Allan Duarte Lacerda, ex-titulares da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSG). Eles foram responsáveis, respectivamente, por iniciar e encerrar o trabalho de investigação sobre o homicídio contra o líder religioso.

Não será a primeira vez que eles serão ouvidos sobre o caso. Em março deste ano, Lomba prestou depoimento ao Conselho de Ética da Câmara, no processo que culminou com a cassação de Flordelis. Ela deixou a investigação em janeiro de 2020, quando foi transferida para outra delegacia. Ao Conselho, a delegada frisou que nada aconteceria sem o aval da ex-deputada.

“Embora eu não tenha concluído o inquérito policial, até a altura em que nós investigamos, posso afirmar que as pessoas envolvidas são absolutamente vinculadas à deputada Flordelis. Conseguimos saber que nada aconteceria dentro daquela casa sem o aval final da deputada. O conjunto de evidências trouxe às investigações uma indicação fortíssima do envolvimento da deputada na ação criminosa”, disse a delegada.

Além dos delegados, pessoas ligadas à família foram intimadas a depor durante o julgamento. Entre elas estão o ex-vereador de São Gonçalo e filho adotivo de Flordelis e Anderson Wagner Andrade Pimenta, o Misael da Flordelis; Roberta dos Santos, também filha adotiva; e Daniel dos Santos, filho adotivo do casal, mas que era divulgado pelo casal como se fosse biológico.

Em relação a este último, a descoberta da falsa paternidade biológica de Flordelis e Anderson aconteceu após a morte do líder religioso. Durante a coleta de depoimentos, agentes da DHNSG descobriram que, na verdade, o jovem havia sido adotado pelo casal. Ainda no ano de 2019, o rapaz foi informado sobre o caso por policiais civis e demonstrou interesse em conhecer sua família biológica.

Flávio dispensou advogados

Flávio dos Santos Rodrigues será representado por um defensor público em seu julgamento. O pedido partiu do próprio acusado, que se manifestou nos autos do processo para deixar de ser representado por um advogado. O mesmo irá acontecer com Lucas, mas este é representado pela Defensoria Pública desde quando foi preso, horas após o crime, no dia 19 de junho de 2019.

Lucas foi capturado em cumprimento a mandado de busca e apreensão por envolvimento com o tráfico, quando era menor; enquanto Flávio foi preso no dia 20, durante o enterro de Anderson, em cumprimento de mandado de prisão por violência doméstica. Nos dias seguintes, foram descobertos fatos que os ligavam ao homicídio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 15 =