Defesa de Gabriel Monteiro tem recurso rejeitado na Câmara do Rio de Janeiro

Denunciado no Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, o vereador Gabriel Monteiro (PL) sofreu uma derrota nesta segunda-feira (09). O recurso apresentado pela defesa do parlamentar foi rejeitado pela Comissão de Justiça e Redação da Casa Legislativa carioca.

Denunciado após as acusações de estupro, assédio sexual e de forjar vídeos para a internet, Gabriel Monteiro pode ter o mandato de vereador cassado. Segundo a CCJ, o pedido da defesa do parlamentar não poderia ser apresentado nesta fase do processo ético-disciplinar. Somente após a conclusão do parecer do relator do caso, como determina o Código de Ética da Casa. O prazo de Monteiro para apresentar a defesa prévia terminava hoje (09).

A reunião desta segunda (09) foi conduzida pelo presidente da Comissão, o vereador Inaldo Silva (REP), e contou com a participação de Alexandre Isquierdo (UB), presidente do Conselho de Ética. O vereador Dr. Gilberto (PTC), relator da CCJ, ressaltou que a decisão será publicada no Diário Oficial da Câmara desta terça-feira (10).

“Não cabe recurso legal neste momento, somente após o Conselho de Ética chegar a uma conclusão”, afirmou Dr. Gilberto.

Entenda processo de cassação

Com o fim do prazo para apresentar a defesa no processo sobre decoro parlamentar, o Conselho de Ética tem o prazo de 45 dias para ouvir testemunhas no caso do vereador Gabriel Monteiro, e coletar provas. Depois disso, o próximo passo será do relator do processo, que terá até cinco dias para concluir se haverá punição ou não.

Em caso de punição, o vereador terá um novo prazo de cinco dias para se defender das acusações, antes da votação no Conselho de Ética.

Monteiro nega que só trabalhava para fazer vídeos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.