Cronômetro ligado para defesa de Flordelis

A deputada Flordelis tem cinco dias úteis para apresentar a sua defesa por escrito a Corregedoria da Câmara dos Deputados. Ela foi notificada hoje (9) sobre a abertura do processo de investigação sobre a sua possível quebra de decoro e que pode levar a cassação do seu mandato. Foi a terceira tentativa de aviso a Flordelis. O corregedor da Casa, o deputado Paulo Bengtson, junto de assessores entregou o documento a Flordelis no apartamento funcional da acusada. Flordelis foi escutada por aproximadamente duas horas pelo deputado.

A deputada deveria ter comparecido à sala da Corregedoria na Câmara, porém não foi. Flordelis afirmou que recebeu o parlamentar em casa porque estava trabalhando e disse que participaria da sessão plenária de hoje (9). Flordelis disse ter pressa em provar sua inocência e que não teria motivos para temer ou fugir.
Foi realizada uma audiência preliminar com Flordelis à pedido da mesma. A reunião, porém não faz parte da defesa da deputada. Após o recebimento da defesa escrita, Paulo Bengtson tem o prazo de até 45 dias úteis para enviar o seu parecer para a Mesa Diretora Da Câmara. O deputado afirmou que há uma força tarefa para a decisão sair em 15 dias. O parecer posteriormente a Mesa Diretora irá para o Conselho de Ética. Flordelis perde o seu mandato somente se, após o Conselho de Ética, a maioria absoluta do Plenário da Câmara decidir que a deputada cometeu quebra de decoro parlamentar.

Câmara adia votação de projeto para reabertura do Conselho de Ética

Por falta de acordo, a Câmara dos Deputados adiou hoje (9) a votação do Projeto de Resolução 53/20, que autoriza a retomada dos trabalhos do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e de mais três comissões: a de Constituição e Justiça, a de Finanças e Tributação e a de Fiscalização Financeira e Controle.

A falta de entendimento para apreciar a matéria foi anunciada no início da sessão desta quarta-feira pelo 1º vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP).
O projeto de resolução foi apresentado pelo corregedor da Casa, Paulo Bengtson (PTB-PA), para permitir a realização das reuniões do Conselho de Ética por meio de videoconferência. A expectativa era que, com a reabertura, o colegiado iniciasse a análise do pedido de representação contra a deputada Flordelis (PSD-RJ), acusada de ser mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + onze =