Criminalidade cresce também na Região Oceânica

O aumento dos índices de criminalidade na Região Oceânica de Niterói nos últimos meses vem desencadeando uma mobilização de policiais militares e civis para coibir essa escalada. A repressão aos roubos de transeuntes e de estabelecimentos comerciais estão na linha de frente desse combate. O subcomandante do 12º BPM (Niterói), tenente-coronel Fábio Marçal confirmou ontem que criminosos vindos de São Gonçalo estariam atacando vítimas na Região Oceânica, e um trabalho em conjunto está sendo feito com a Polícia Civil para desarticular essas quadrilhas.

“Temos suspeitos identificados e por isso estamos intensificando o patrulhamento em toda Região Oceânica, ora com blitz ora com ações de visibilidade, em locais que, de acordo com levantamento, são pontos de passagem desses criminosos, que muitas vezes se deslocam de carro de São Gonçalo para a Região Oceânica. Policiais de serviço em Várzea das Moças, Cafubá e Itacoatiara, entre outros pontos, estão realizando esse trabalho, tanto durante o dia, quanto à noite”, explicou Marçal, acrescentando que em breve mandados de prisão deverão ser expedidos pela Justiça contra os acusados.

O tenente-coronel afirmou ainda que uma mesma quadrilha estaria por trás das mais recentes ocorrências de roubos a estabelecimentos comerciais e a transeuntes na Região Oceânica, como no sábado passado, quando bandidos armados renderam vítimas e roubaram dinheiro e pertences de clientes do Mc Donald’s, localizado na Estrada Francisco da Cruz Nunes. O mesmo grupo teria também, segundo ele, atacado transeuntes na Pizzaria Dominó’s, também na Estrada Francisco da Cruz Nunes, e baleado um policial reformado em assalto na saída de um supermercado na Avenida Central. Como se não bastasse, na última quarta-feira a quadrilha teria voltado à área e assaltado uma das filiais das Lojas Americanas, também na Avenida Central.

Nos mais recentes números divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), a incidência de roubos a transeuntes nos bairros da Região Oceânica vem sendo confirmada, com 58 registros oficializados no mês de janeiro, passando para 67 em fevereiro, um aumento de 15,5%. Ao longo de todo o ano passado foram registrados na área 561 ocorrências de roubos a transeuntes.

Os números desfavoráveis no combate à violência na RO não param por aí. De janeiro para fevereiro o número dos chamados roubos de rua – soma de roubos de celulares, de coletivos, e a transeuntes – passou de 67 para 72 registros, aumento de 7,5%. Nessa mesma modalidade, a totalização de 2017 foi de 610 registros, além de: homicídios dolosos (com intenção de matar): de 2 casos em janeiro para 4 em fevereiro, com total de 15 no ano passado, roubos de veículos: 20 em janeiro e 30 em fevereiro (total de 308 no ano passado), roubos a estabelecimentos comerciais: 2 em janeiro e 7 em fevereiro (total de 44 em 2017). No mesmo período a RO apresentou redução nos índices de roubos de celulares (de 8 para 5) e total de 44 no ano passado, roubo de residência (4 para 1) e total de 35 no ano passado e crimes de estelionato (de 13 para 11), total de 167 em 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =