Crimes tendem a crescer no segundo semestre

Augusto Aguiar –

Com o passar dos meses e a aproximação do fim do ano, a incidência de determinados gêneros de crimes tendem a crescer nas cidades, como se já não bastasse a sensação de “guerra urbana” que a população enfrenta. Mesmo com a crise batendo na porta, a crescente atividade financeira e movimentação nos estabelecimentos comerciais e bancários atrai também as ações criminosas. Por isso, de acordo com fontes policiais, existe a probabilidade de determinados gêneros de crimes apresentarem elevação.

De janeiro a julho desse ano, Niterói registrou, por exemplo, 839 crimes de estelionato, definido como “crime econômico, que é descrito como o ato de obter, para si ou para outro, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento”. Apenas no mês de julho foram 152 registros de toda sorte de falcatruas nas delegacias da cidade, ou seja, 18,11% da totalização divulgada pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). No fim do ano passado, o mês de dezembro fechou com 126 ocorrências do gênero. No município de São Gonçalo a mesma modalidade de crime registrou 693 casos, com 121 no último levantamento (julho) divulgado pelo ISP. Em dezembro do ano passado também foram registradas 121 queixas desse tipo de crime naquela cidade.

Com relação aos crimes de roubos a transeuntes, apontada como outra modalidade que cresce no segundo semestre, nos sete primeiros meses desse ano Niterói registrou 2.323 queixas e São Gonçalo, 4.544 (95,6% de diferença). No mês de julho foram, respectivamente, 343 e 707. Em dezembro do ano passado 401 registros foram feitos em Niterói e 771 em São Gonçalo (diferença de 92.26%). Outra modalidade que tende a crescer na segunda metade do ano é o crime de extorsão, definida como “ato de obrigar alguém a tomar um determinado comportamento, por meio de ameaça ou violência, com a intenção de obter vantagem, recompensa ou lucro”. De janeiro a julho foram registrados 54 casos em Niterói e 33 em São Gonçalo. Nos últimos dados do ISP (julho) foram sete em Niterói e três na cidade vizinha, e dezembro de 2016: sete em São Gonçalo e dois em Niterói.

Mesmo com todo aparato policial mobilizado a expectativa das autoridades é reverter nesse segundo semestre os números de roubos de cargas, que vêm em crescimento há algum tempo. De janeiro a julho desse ano foram registrados 41 casos em Niterói e 750 em São Gonçalo; em julho (último levantamento do ISP): Niterói – 5 e São Gonçalo – 97; e Dezembro 2016 do ano passado: Niterói – 15 e São Gonçalo – 113.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × três =