Corpo de motorista de aplicativo assassinado deve ser sepultado amanhã em Itaboraí

“Era um excelente trabalhador e cuidava da família muito bem”, esta é a definição do motorista de aplicativo Bruno Antunes, feita por um primo, de 38 anos. O familiar referiu não revelar a identidade, com receio de represálias. Bruno Antunes, de 30 anos, que estava desaparecido desde o sábado (3) foi encontrado morto na tarde de domingo (4). Ele saiu de casa depois de aceitar um pedido de corrida de um passageiro no bairro Marambaia. Uma sobrinha da vítima confirmou que o corpo dele foi encontrado carbonizado dentro do carro. A vítima era casada e deixa um filho de dois anos.

Além do primo, a esposa de Bruno esteve, na manhã desta segunda-feira (5), no Instituto Médico Legal (IML) de São Gonçalo, para os trâmites de liberação do corpo. Abalada, ela preferiu não dar declarações. Bruno também deixa um filho, ainda criança. Segundo os familiares, o sepultamento deve acontecer nesta terça-feira (6), no Cemitério São Joaquim, em Itaboraí. Cabe ressaltar que o IML irá coletar material genético do corpo, a fim de confirmar a identidade.
De acordo com a Polícia Civil, as investigações estão em andamento na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG). A perícia foi realizada no local. O corpo carbonizado foi encaminhado para identificação no IML região. Diligências seguem para investigar a ocorrência e identificar os envolvidos no crime.

Bruno saiu de Itaboraí, onde morava, por volta das 18h. Depois disso, ninguém mais conseguiu contato com ele. Parentes e amigos, apreensivos e desconfiados que algo ruim pudesse ter acontecido, começaram a usar as redes sociais para pedir ajuda. Em poucos minutos receberam uma mensagem anônima informando que Bruno tinha sido sequestrado por criminosos de uma localidade conhecida como BNH, no bairro Sacramento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × dois =