Corpo de Maradona é velado na Argentina

Raquel Morais

Começou nessa quinta-feira (26) o velório do ídolo do futebol, Diego Maradona, que faleceu na quarta-feira (25) vítima de uma parada cardiorrespiratória. O craque morreu em casa, na cidade de Tigre, aos 60 anos. O corpo chegou na Casa Rosada, em Buenos Aires, e o velório ficará aberto até às 19h.

As primeiras horas da manhã foram marcadas por confusão e por volta das 7h30min um pequeno tumulto entre os torcedores, que queriam entrar para prestarem as últimas homenagens ao ídolo, envolveu a polícia. As grades de proteção foram derrubadas mas a polícia conseguiu controlar a situação.

Milhares de pessoas estão indo ao velório. Muitas camisas estão sendo jogadas no caixão, que está fechado, além de flores e cartas. Autoridades e a família também estão no velório, como a ex-mulher Claudia Villafañe e as duas filhas, Dalma e Gianinna, e o presidente da Associação de Futebol Argentino (AFA), Claudio Tapia.

Maradona havia se submetido a uma delicada cirurgia no cérebro, no início do mês, e havia recebido alta cerca de uma semana depois da operação. Ele havia se submetido a operação para drenar uma hemorragia no cérebro. O médico Leopoldo Luque afirmou na ocasião que a cirurgia, que a intervenção era simples, mas havia preocupação pela condição de saúde do ex-jogador, que estava com as condições debilitadas.

Maradona teria sofrido um mal súbito na quarta-feira (25) quando ambulâncias foram chamadas à sua casa. O ex-jogador, porém, não resistiu, tendo sua morte informada pela imprensa argentina e pela TV pública do país, já no começo da tarde.

HISTÓRIA DO ÍDOLO

Maradona teve sua carreira marcada pela genialidade em campo e também pela polêmica. Usando camisa 10, defendeu a seleção da Argentina em 91 jogos, atuando em quatro Copas do Mundo: 1982, 1986, 1990 e 1994. No Mundial dos Estados Unidos, viveu um dos piores momentos de sua trajetória, quando foi pego no exame antidoping ainda na primeira fase da Copa.

Nos clubes, sua trajetória começou no Argentinos Juniors, de onde seguiu para o Boca Juniors, seu time do coração. Depois foi para Barcelona e Nápoli, onde viveu o ápice de sua carreira. Após passagens por Sevilla e Newell’s Old Boys, Maradona encerrou sua carreira no Boca Juniors, em 1998.

Foto: reprodução TV Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − três =