Coronel PM é assassinado a tiros em atentado na cidade de Maricá

A Polícia Militar está de luto. Na manhã de ontem, o sub comandante do 4º Comando de Policiamento de Área (4º CPA), órgão responsável pelo patrulhamento das regiões Metropolitana e dos Lagos, tenente-coronel Iranir Linhares Fernandes Filho, de 49 anos, foi morto a tiros num atentado, em Maricá. O segurança do oficial, identificado como sargento Luiz Cláudio Carvalho da Silva, conhecido como sargento Carvalho, também foi baleado e internado em estado greve. As circunstâncias do crime ainda são desconhecidas deve ficar a cargo da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG).

Transeuntes afirmaram que por volta das 09h50m o comandante estava dentro de uma viatura descaracterizada da PM, modelo Gol, de cor prata, junto com seu motorista e segurança. O veículo estava estacionado nas proximidades de uma loja de rações, na Estrada da Cachoeira, próximo ao Centro de Maricá, e há cerca de 50 metros do Hospital Conde Modesto Leal, quando um outro veículo, modelo Jeep Renegade, de cor branca, se aproximou e pelo menos dois criminosos armados teriam se aproximado e efetuado vários tiros na direção das vítimas.

Iranir foi atingido por pelo menos sete disparos e o segurança outros três, este último no braço e tórax. O oficial da PM ainda chegou a ser socorrido por uma ambulância do Samu e removido para o Hospital Conde Modesto Leal, onde faleceu. O segurança de Iranir também foi socorri e em estado grave foi transferido de helicóptero para o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no bairro Colubandê, em São Gonçalo. O crime estarreceu até mesmo os policiais civis e militares que atuam no patrulhamento da cidade. Os disparos efetuados contra o carro onde estava o coronel também atingiram outro veículo que estava estacionado ao lado da viatura policial.

O local foi periciado no início da tarde de ontem pela DHNSG e os agentes devem buscar imagens de câmeras de segurança instaladas no perímetro onde ocorreu o crime e depoimento de testemunhas para ajudar a esclarecer o crime e identificar os assassinos. Também na manhã de ontem a Polícia Militar emitiu um comunicado oficial sobre a ocorrência.

“Na manhã desta quarta-feira (31/8), o 12° BPM (Niterói) foi acionado em razão de dois homens feridos por disparo de arma de fogo no Centro de Maricá, na Região Metropolitana do Rio. No local, os policiais constataram que tratavam-se de dois policiais militares que foram socorridos para o Hospital de Maricá e depois transferidos para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo. O Coronel Ivanir Linhares Fernandes Filho não resistiu. Ele tinha 49 anos e estava há 29 anos na Corporação. Atualmente ocupava o cargo de Subcomandante do 4° Comando de Policiamento de Área (CPA), anteriormente ele comandou o 3° BPM (Méier) e o 20° BPM (Mesquita). O outro policial, Sargento Carvalho, está sendo operado neste momento. A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro lamenta o falecimento de seus policiais militares. O Comando da Corporação está dedicado a prestar todo apoio à família desses policiais, além de prestar as últimas homenagens ao oficial. A corporação concentrou esforços para prender os criminosos envolvidos no crime”.

Iranir era casado e ocupava o cargo de subcomandante do 4° CPA e estava há 29 anos na corporação. Foi chefe do Estado Maior do órgão, entre novembro de 2014 e julho do ano passado, sendo promovido ao posto de coronel no ano de 1987. Em São Gonçalo, Linhares ocupou a pasta de subsecretário municipal de Segurança Pública, de outubro de 2006 a fevereiro de 2008, acumulando ainda o posto de comandante da Guarda Municipal. O coronel também integrava o grupo de motociclistas Bodes do Asfalto Moto Clube de Niterói. O delegado titular da Divisão de Homicídios (DH) de Niterói, Fábio Barucke, disse que investiga o crime como execução e por motivações pessoais.

-”Não acredito que o crime tenha alguma ligação com a prisão do traficante conhecido como Mexicano, na terça-feira, em Maricá. Estamos tentando descobrir se o alvo dos tiros era o motorista já que os tiros foram na direção dele”, afirmou o titular da DHNSG, delegado Fábio Barucke. O chefe das Divisões de Homicídios do estado, delegado Rivaldo Barbosa, lamentou a morte de mais um policial. “A gente não suporta mais isso. É um absurdo”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + dezenove =