Contrariando TCE, Câmara de São Gonçalo aprova as contas do prefeito José Luiz Nanci

A Câmara dos Vereadores de São Gonçalo aprovou no início da noite desta quarta-feira (3) as contas do prefeito José Luiz Nanci (Cidadania) referente ao exercício de 2018. Dos 27 parlamentares, 18 votaram a favor, sete contra e uma abstenção. O vereador Cláudio Rocha (PSDB), foi o único que não compareceu nem presencialmente, nem por videoconferência. Eduardo Gordo (DEM), Alexandre Gomes (PV), Armando Martins (PSDB) e Ricardo Peon (Cidadania) votaram por videoconferência. Já o presidente da Câmara, Diney Marins (Cidadania), se absteve.

Antes de ser aprovado, o vereador José Carlos Vicente (PSL) leu o parecer prévio do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que opinou pela rejeição das contas do Executivo. Em seguida, foi lido o parecer da Comissão de Finanças e Orçamento, pelo presidente Lecinho Bretas. Após, o parecer do TCE foi colocado em votação e discutido pelos vereadores, entre eles: Lucas Muniz (Progressitas) que foi contra a decisão. “Fico triste em ver as contas do Prefeito Nanci aprovada mais uma vez. Nenhum de nós vereadores somos técnicos para questionar o TCE. Por isso, mais uma vez votei com o Tribunal de Contas e contrário as contas do prefeito Nanci. Tenho certeza que esse seria o voto de qualquer cidadão gonçalense”, declarou o vereador mais jovem da cidade.

Mesma posição do vereador Natan (Republicanos), que votou pela reprovação das contas do prefeito. “O TCE, órgão competente para analisar tecnicamente as contas, deram o parecer pela reprovação. Acompanhando essa gestão desastrosa ao longo desses mais de 3 anos, em que o vários setores da Prefeitura não produziram, fica impossível vote pela aprovação”, criticou Natan.

Segundo ele, o governo merece a rejeição pela péssima administração na cidade. “O setor de iluminação pública totalmente ineficaz, tem ruas da cidade que nunca tiveram lâmpadas trocadas, bairros como Guaxindiba, Bom Retiro, Vista Alegre, Santa Luzia, entre outros, não recebem esse tipo de serviço. O governo não construiu uma creche, uma escola, o teatro que não avançou, uma gestão ridícula. Agora pra escancarar de vez, eles tiveram a cara de pau de distribuírem um kit ridículo aos alunos da rede pública municipal”, lamentou o vereador.

Segundo o prefeito Nanci, a Prefeitura seguiu rigorosamente o que foi estabelecido na Lei Orçamentária Anual do ano em questão, sem que houvesse extrapolação do limite de gastos. “Este é o segundo ano seguido que temos nossas contas aprovadas. A decisão prova que estamos no caminho certo, com uma gestão pautada na transparência, compromisso e responsabilidade, confirmando que o modelo de administração que colocamos em prática é efetivamente positivo. Tenho que agradecer a população que me confiou essa responsabilidade de administrar nossa cidade e a minha equipe de governo, que me ajuda diariamente nesse processo de conduzir uma cidade com tão poucos recursos e aos vereadores, que compreenderam que fazemos uma gestão transparente e eficiente, primando pela saúde financeira do município”, avaliou o prefeito José Luiz Nanci ao afirmar ainda que o município aplicou percentual maior do que o limite mínimo constitucional nas áreas de Educação e Saúde, ao passo que reduziu o gasto com pessoal, ficando bem abaixo da aplicação máxima de 54% e fechando com 50,90%.

Votaram pela rejeição das contas: Professor Paulo (PCdoB), Lucas Muniz, Salvador Soares (PRB), Jalmir Junior (PRB), Natan, Gilson do Cefen (Pros) e Vinicius (SDD).

Votaram pela aprovação das contas: Paulo Cesar; Getulio Brito, Samuca e Jorge Mariola (ambos do Podemos); Bruno Porto (Cidadania); Eli da Rosa (Cidadania); Lessinho (MDB); Cici Maldonado (PL); Maciel (PL); Alexandre Gomes (PV); Ricardo Peon (Cidadania); Eduardo Gordo (DEM); Fael (DEM); Julinho da Renascer (Avante); Mizael (Podemos); José Carlos Vicente; Armando Martins (PSDB) e Cacau (PRTB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 12 =