Niterói vive dia de tensão

Um ônibus foi incendiado ontem, além de diversos bloqueios montados, em São Francisco, Zona Sul de Niterói, em protesto pela morte de um adolescente de 16 anos, atingindo por uma bala perdida durante uma operação da Polícia Militar. A Estrada da Cachoeira, na altura da comunidade Grota do Surucucu, chegou a ficar interditada por mais de cinco horas. Durante a manhã, agentes das tropas de elite da PM realizaram uma operação em comunidades da região e confrontos com criminosos levaram pânico a muitos moradores, que saíam de casa para o trabalho. O policiamento foi reforçado na região por tempo indeterminado.

De acordo com moradores, Dyogo Xavier Coutinho foi baleado no momento em que deixava a casa do avô para treinar, ele atuava como jogador de futebol. Ele chegou a ser levado para a Policlínica do Largo da Batalha, mas já chegou na unidade sem vida. Por conta da morte, dezenas de moradores da comunidade protestaram de forma violenta. Um ônibus da linha 37 (Badu-Centro) foi incendiado na Avenida Presidente Roosevelt, próximo a comunidade. O veículo foi cercado por manifestantes, que atearam fogo. O incidente aconteceu no início da tarde, mas a carcaça foi retirada hora depois, por volta das 17h30min. Foi necessário colocar pneus para que o guincho pudesse puxar o caminhão.

Além disso, moradores fizeram diversas barricadas, inclusive na porta da Escola Municipal Helena Antipoff. Pais de alunos ficaram em pânico para poder atravessar e buscar seus filhos. Em vários pontos houve confronto entre manifestantes e policiais, pelo menos 20 pessoas foram conduzidas à delegacia para averiguação. A Polícia precisou utilizar bombas de efeito moral e armamento não letal para dispersar os manifestantes.

Mais cedo, em meio a um desses confrontos entre criminosos e agentes de segurança, passageiros de um ônibus ficaram no meio do fogo cruzado. Um coletivo da linha 40 (Maceió-Largo da Batalha) foi parado pelos policiais, que pediram que todos os passageiros descessem e se abrigassem no momento em que passavam pela Estrada da Garganta. Eles tiveram de deixar o coletivo, com auxílio de policiais do Batalhão de Choque (BPChq).

Em nota, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) recomendou a todos os motoristas de ônibus que não circulem em áreas onde haja qualquer tipo de ameaça promovida por marginais. “A entidade classista repudia atos terroristas, como o registrado na tarde desta segunda-feira (12/08), quando um coletivo do consórcio Transoceânico, da linha 37 (Badu-Centro), foi incendiado na Avenida Ruy Barbosa, em São Francisco, área nobre da Zona Sul de Niterói, e outros ficaram reféns, na linha de tiro entre policiais e bandidos, nas comunidades da Grota e do Viradouro”.

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) repudia os ataques criminosos a três ônibus em Niterói e Angra dos Reis.

Com estes casos, sobe para 197 o número de ônibus incendiados no Estado do Rio desde 2016, dos quais apenas sete veículos foram recuperados e retornaram à operação. Do total, mais de 40% eram climatizados. O custo de reposição supera R$ 85 milhões, recursos que poderiam estar sendo investidos na melhoria do transporte público com a renovação da frota.

A população é a maior prejudicada com a redução da oferta de transportes. Um ônibus incendiado deixa de transportar cerca de 70 mil passageiros em seis meses, tempo necessário para a reposição de um veículo no sistema.

Operação

Desde às 5 horas policiais do Batalhão de Choque (BPChq) e do Batalhão de Operações com Cães (BAC) vasculharam as comunidades da Zona Sul à procura de criminosos e com objetivo de apreender drogas e armas. Segundo a Polícia Militar, um homem (não identificado) foi baleado durante a troca de tiros, por volta das 6h30min, na comunidade da Igrejinha. Ele morreu após ser socorrido e levado para o Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), na Zona Norte de Niterói. Além disso, um fuzil e drogas foram apreendidas. Confrontos foram registrados em diversos pontos da região, e o trânsito na Rua Dr. Mário Vianna, em Santa Rosa, chegou a ser interrompido por alguns minutos, o que fez alguns motoristas manobrarem e deixarem o local, alguns até na contramão.

Duranta a ação, de acordo com a polícia, no fim da manhã, dois homens se passando por funcionários da concessionária Autopista Fluminense, que atua na Rodovia BR-101, foram dominados. Com eles foram apreendidos uniformes da concessionária, que seriam usados para tentar confundir os agentes, que montavam um cerco na comunidade da Grota, na qual também ocorreu troca de tiros. Além dos uniformes, foram apreendidos drogas, cadernos com a contabilidade do tráfico, embalagens e uma pistola de calibre 9 milímetros.

Ataque em Angra dos Reis

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e policiais militares foram acionados na madrugada de ontem para a o km 475 da Rodovia Rio-Santos (BR-101), altura de Angra dos Reis, onde criminosos atacaram e incendiaram dois ônibus na pista sentido Itaguaí. De acordo com informes, traficantes e policiais vêm se enfrentando durante operações deflagradas na região.

No domingo, policiais do 33º BPM (Angra dos Reis), com apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope), estiveram na comunidade Parque Belém para averiguar informações repassadas pelo Disque Denúncia sobre a realização de um baile funk do tráfico, com a presença de um dos chefes do tráfico do Complexo da Maré, Zona Norte do Rio.

Na chegada ao local, as equipes foram recebidas a tiros por criminosos. Após intenso confronto e fuga dos suspeitos, os agentes seguiram em patrulhamento e conseguiram localizar parte do bando, entre eles Danilo de Andrade Couto, reconhecido imediatamente pela equipe como o gerente do tráfico de drogas da região. Com eles, os policiais encontraram dois fuzis AR-15 calibre 5.56; um fuzil AK-47 calibre 7.62; duas espingardas calibre 12; uma pistola calibre 9 milímetros, um fuzil Colt calibre 5.56 de fabricação americana; dois carregadores para munição calibre 5.56; 40 munições calibre 5.56 e um rádio de comunicação. O caso foi registrado na 166ª DP (Centro/Angra dos Reis).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *