Compras por delivery crescem mais de 50% em Niterói

A determinação é clara: não sair de casa, para isso o serviço de delivery vem ganhando cada dia mais adeptos. Antes da pandemia do novo coronavírus, o maior volume era a entrega de comida, mas agora outros ramos começam a intensificar as atividades, seja padaria, supermercados, mercados de bairro e farmácias. Alguns estabelecimentos que contabilizam aumento de 60% nas compras para entrega.

Muitas das grandes redes de mercados estão com os serviços sobrecarregados, por isso as pessoas estão escolhendo os mercados de bairro e de menor porte com saída neste período de coronavírus. João Ferreira é gerente de um mercado de Icaraí, Zona Sul de Niterói e viu em poucos dias suas vendas presenciais passar a ser quase nula, enquanto suas vendas por delivery aumentarem drasticamente.

“Hoje a entrega representa 80% de toda a venda da loja. Poucas pessoas estão saindo de casa. Chamei funcionários que estavam de férias, remanejei de outros setores, para suprir esta demanda, contamos com a colaboração de todos neste momento de dificuldade. Nosso objetivo é atender as pessoas em quarentena, ajudar”, explicou o gerente que lembrou que viu sua venda de delivery subir mais 60% em comparação a venda de antes da pandemia.

A aposentada Cláudia Ferraz, de 65 anos é uma das pessoas que ouviu as autoridades de saúde e não sai de casa.

“Eu gosto de ir ao supermercado, escolher as frutas e o alimento que vou comer, mas infelizmente neste momento não é possível. Temos que ter consciência que temos que ficar em casa, por isso a última compra que eu fiz foi pelo telefone. Chegou tudo certo, vou comprar se precisar de novo, mas não vejo a hora de ir comprar eu mesma”, contou Cláudia.

A Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (ASSERJ) registrou aumento de 9,2% nas vendas, em geral, nos supermercados do Estado, desde o início das primeiras informações da pandemia, em alguns casos como na Zona Sul, Barra, Jacarepaguá e Recreio (na cidade do Rio), apresentaram aumento ainda maior, de 28% nas vendas.

A Câmara de Dirigentes Logistas de Niterói (CDL) calcula que houve um aumento de 55% nas vendas com entrega, em todo o comércio da cidade.

Entrega sem contato

As grandes empresas de aplicativos de entrega adicionaram novas opções nas entregas, como deixar o pedido na porta, para diminuir ainda mais o contato físico, neste isolamento social. Nesta pandemia, muitas pessoas lembram apenas dos profissionais de saúde, mas há pessoas trabalhando para manter a economia girando, como os entregadores. Grande maioria, autônomos, eles continuam trabalhando, mas apesar das medidas de higienização, eles temem ficar mais vulneráveis.

“Uso luvas, máscaras e cada entrega eu limpo o baú com álcool, sempre para manter tudo limpo. Mas estamos circulando na rua, então a gente [entregadores] estamos na linha de frente”, contou Welligton Silva, de 25 anos, que questionado sobre o por quê de continuar trabalhando, foi categórico: ajudar.

“Realmente preciso do dinheiro, não vou mentir, mas maior que isso, ajudar a pessoas que devem ficar em casa é o principal. Semana passada uma senhorinha esperou eu sair do andar dela e me chamou no interfone para agradecer. Cada um tem que fazer sua parte”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 10 =