Comércio sobrevivendo à crise em Niterói

Apesar de 2016 ter sido um ano de crise econômica e recessão, dados da Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói (CDL) demonstram que a cidade tem passado sem sobressaltos pelo momento de instabilidade.

O número de empresas abertas de janeiro a outubro deste ano chega a 2,1 mil, frente a 2.098 abertas em todo ano passado. Com relação ao fechamento de lojas houve recuperação de 15%, passado de 420 em 2015 para 359 este ano.

O levantamento mostra ainda que houve um crescimento de 6,5% no número de microempreendedores individuais na cidade. No ano passado foram abertas 4.353 empresas neste formato. Nos dez primeiros meses deste ano chegaram a 4.637.

Isso se reflete no número de alvarás emitidos pela Prefeitura, que tiveram um salto de 5%. De janeiro a setembro de 2016 foram emitidos 4.795 permissões para funcionamento, contra 5.050 no mesmo período deste ano.

Segundo o presidente em exercício da CDL, Luiz Vieira, um dos principais motivos que incentivaram o pequeno empresário na abertura do seu próprio negócio foram a desburocratização e a casa do empreendedor.

“Niterói é um ponto fora da curva, com pagamentos de funcionalismo e fornecedores em dia, com várias empresas que nos procuram para abertura de filiais em Niterói, com números de lojas fechadas caindo e mantendo o nível de abertura de empresas e MEI crescendo”, diz.
Para a formação destes dados, além da CDL, houve contribuição da Junta Comercial do estado do Rio de Janeiro, a Casa do Empreendedor, Secretaria Municipal de Fazenda e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 9 =