Comerciantes esperam alta nas vendas de chocolate para a Páscoa

Raquel Morais

Comerciantes do segmento de doces e chocolates de Niterói já estão enchendo os estoques com os tradicionais ovos de páscoa e contratando funcionários extras. Niteroienses também já começaram as compras e a perspectiva da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói é o crescimento de 3,5% nas vendas em relação à Páscoa de 2016. Dados da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) apontam que 63% dos brasileiros possuem o hábito de comprar chocolates para presentear nesse período e os comerciantes comemoram.

Na Cacau Show do Centro de Niterói, a vendedora Aline Alves, de 26 anos, já começou as vendas específicas para a data. Ontem à tarde a loja já estava repleta de caixas de ovos de chocolate para serem arrumados no estoque. “Já têm clientes comprando os ovos de páscoa. Os kits com trufas também são procurados. E o movimento começou já na semana passada”, frisou. Na Kopenhagen de São Francisco, a gerente Paula Senorans também confirma as vendas de produtos específicos para a Páscoa. “As vendas estão mais interessantes e viemos de um mês muito parado, que é fevereiro, acreditamos que depois do carnaval o niteroiense vai começar de fato a pensar no Páscoa”, sintetizou.

O vice-presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira, confirma essas observações. “A Páscoa, com certeza, será uma data que irá ajudar a melhorar os índices do mês de abril. Neste momento o comércio está se preparando em estocar o produto, acreditando que teremos um crescimento de 3,5% em relação ao ano passado. Além disso, é uma data significativa até mesmo porque envolve crianças. E todo evento que envolve o público infantil normalmente tem um apelo comercial maior”, explicou.

Segundo nota da Abicab, o volume de chocolate para a Páscoa de 2017 ainda está em produção, mas no ano passado foram produzidas 14,3 mil toneladas de chocolate para a data, o equivalente a 58 milhões de ovos de Páscoa em todo o País. Para a Páscoa deste ano, no período de outubro de 2016 a março de 2017, a Abicab estima que as indústrias e lojas especializadas devem gerar cerca 25 mil empregos temporários em todo Brasil, sendo que 15% devem ser destinados para posições de produção e 85% para promoção e cadeia de venda. “Os números confirmam o compromisso das indústrias de chocolate em gerar emprego e investimento, contribuindo para o reaquecimento da economia do país”, analisa Ubiracy Fonseca, presidente da entidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *