Comandante do 7º BPM faz balanço de seus quatro meses à frente do batalhão

Wellington Serrano

O coronel Ronaldo Martins, 48 anos, divorciado, com 28 anos de Polícia Militar é o comandante do 7º BPM de São Gonçalo desde janeiro. Ele está em seu terceiro comando de unidade, tendo já comandado o 40º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Campo Grande, entre 2012 a 2013 e a Unidade Prisional da Polícia Militar por três anos, (2016 a 2018). Nesta entrevista para A TRIBUNA ele faz um balanço de seus quatro meses à frente do batalhão e comemora a série histórica de reduação a roubos de carros e da letalidade violenta no município no período de janeiro a abril.

Segundo Martins, a responsabilidade em dar tranquilidade à população, reduzir os números de incidência de roubos e furtos e dar a segurança e a sensação de estar seguro faz com trabalhe quase 24 horas por dia. “Temos que trabalhar em todos esses lados, mas o mais dificil é trabalhar em cima da sensação de segurança”, disse.

Segundo ele, assim que chegou para trabalhar em São Gonçalo sentiu um nível de desordem muito grande. “A cidade é a segunda maior em termos de população do Estado em torno de mais de um milhão de pessoas e que carecia de uma atuação da polícia com ostensividade e a presença do policial. O cidadão necessitava desta atuação, pois temos aqui uma característica peculiar de São Gonçalo que são as 99 comunidade conflagradas, então temos que trabalhar além da ostensividade também a polícia repressiva”, ressaltou.

Segundo o coronel Martins, assim que chegou no 7ºBPM, sua primeira ordem dada aos seus comandados foi: que é proibido morrer. “Falo para os meus policiais que a preservação da vida vem em primeiro lugar, é o nosso maior bem. Aqui nós temos uma característica em que o nosso policial ele é cliente de si mesmo, porque a maior parte do nosso quadro mora na área de São Gonçalo. Então, ele tem um carinho a mais para se trabalhar aqui no batalhão”, realçou.

O comandante disse que o 7ºBPM não é um batalhão fácil para se trabalhar. “Pela extensão de área, quantidade populacional e pela conflagração da área que existe hoje, não é tarefa fácil servir aqui, mas com tudo isso temos que trabalhar a parte ostensiva”, afirmou.

O coronel Martins afirma que com tudo isso vem conseguindo ótimos resultados em termos de redução a roubo de veículos e na letalidade violenta na cidade. “Foram 44% a menos de carros furtados em meus quatros meses à frente do batalhão em relação ao mesmo período de janeiro a abril de 2018. Já na letalidade violenta (que são as mortes em confrontos, homicídios, chacinas, latrocínio e lesão corporal seguida de morte), tivemos uma redução de 40% também no mesmo período. Hoje, no Estado, somos o segundo colocado nestas reduções em termos de números absolutos”, comemorou.

Outro número que o comandante destaca é que o batalhão é o primeiro em número de pistola apreendidas no Estado no primeiro trimestre de 2019, foram 63.

MUDANÇAS NO CRIME – Segundo ele, é notável a mudança nos crimes nos últimos 15 anos em São Gonçalo. “Antigamente não tinha o roubo de rua com tanta frequência em relação ao que a gente vê hoje. Ninguém andava nas ruas portando um aparelho de R$ 2 mil reais e por causa disso, os roubos se tornaram rentáveis. Além disso, existiam os grandes criminosos do passado que proibiam que isso acontecesse na região deles”, ressaltou.

BARRICADAS — Segundo Martins, atualmente, graças ao trabalho do batalhão, tenta tirar das áreas conflagradas em São Gonçalo as barricadas imposta pelo tráfico. “Com a ajuda de uma retroescavadeira, que gentimental nos foi emprestada, estamos atuando, apesar de estarmos sem nenhuma ajuda do poder público municipal. Mesmo assim, atuamos na desobstrução das vias de acesso à BR 101, principalmente no Bairro do Jardim Catarina, mesmo que logo depois os criminosos voltem com as barricadas”, declarou o comandante.

Com quase 40 viaturas e 850 policiais para atender uma área de ‎248,319 km² Martins disse que o Comando da PM entende a necessidade de novos aspirantes. “Mesmo assim, estamos fazendo um trabalho em cima da mancha criminal com as viaturas. O polícial que sai para as ruas atua em cima da análise criminal em andamento, dentro de um estudo diário. Já temos o estudo mensal de maior incidência e direcionamos os nossos policiais municiados”, ressaltou.

BR-101 — Segundo Martins, por causa dos diversos boatos de arrastão, hoje, um acidente de trânsito na BR-101 se transforma em um caos. “E se você me perguntar posso te dizer que não é a rodovia o local com maior percentual de roubos”, limitou-se a dizer o comandante ao afirmar que a cidade tem quatro rodovias que cortam a cidade com um grande número de veículos. Segundo Martins, por causa disso, os números de roubos de veículos na cidade ainda assustam. “Hoje São Gonçalo é o primeiro colocado em roubo de veículos, mesmo a gente sendo o segundo colocado na redução do Estado”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + 11 =