Cláudio Castro toma posse como governador do Rio

Cláudio Castro (PSC) é oficialmente governador do Rio de Janeiro. Ele foi empossado, na manhã deste sábado (1º), durante cerimônia na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Castro chega ao cargo um dia após Wilson Witzel (PSC) ser destituído do cargo, por crime de responsabilidade, pelo Tribunal Especial Misto (TEM). A sessão solene foi presidida pelo deputado estadual André Ceciliano (PT), presidente da Alerj.

Após assinar o Termo de Posse, o agora governador discursou e pregou que haja um pacto pela retomada da economia do Rio de Janeiro. Castro lembrou das 43 mil vidas perdidas para o coronavírus no Estado, prometeu iniciar os pagamentos do programa Supera Rio e afirmou que lançará o programa “Bairro Seguro”, ampliando policiamento nos bairros. Sem citar diretamente os escândalos na área da Saúde, que derrubaram seu antecessor, o novo chefe do Executivo fluminense afirmou que “as divergências agora fazem parte do passado”.

“Iniciamos hoje um novo tempo na história do Rio de Janeiro. Precisamos avançar, olhar para a frente e não perder a esperança. Foram mais de 43 mil vidas perdidas para a covid-19. Precisamos inaugurar uma estrada que tenha como alicerce a retidão e a ética. As divergências fazem parte do passado. Vamos encarar nossos desafios com coragem e determinação. O momento é de reconstrução e firmarmos um pacto para a retomada dos empregos”, disse Castro.

Antes de dar posse ao governador, Ceciliano também discursou no plenário da Alerj. Em sua fala, o presidente da Casa Legislativa falou sobre algumas missões que Castro terá, em áreas como saúde e segurança pública. Para o deputado, a posse dá ao novo mandatário “a legitimidade necessária para fazer o que o Rio de Janeiro precisa”.

“Sua posse confere a legitimidade necessária para fazer o que o Rio de Janeiro precisa. Somos o estado com um dos maiores índices de desempregados do Brasil, uma taxa muito maior do que a média nacional. Em abril, o estado registrou o amior número de mortes em um único mês. A situação, na área da segurança, também é grave. Um dos blocos do leilão da Cedae não teve oferta porque as empresas alegaram ser área de violência”, alertou Ceciliano.

Perfil

Cláudio Castro nasceu em Santos, no interior do Estado de São Paulo. Ainda criança, veio morar na cidade do Rio de Janeiro. Em 2005, se formou em Direito pela Universidade. Além de advogado, também é músico, compositor e evangelizador. É casado e pai de dois filhos. Ao longo de 12 anos foi chefe de gabinete na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Em 2016, ganhou as eleições para vereador da cidade do Rio pelo Partido Social Cristão (PSC), com mais de 10 mil votos, onde ocupou o cargo durante 2 anos. Participou ainda da Mesa Diretora da Câmara, na função de 2° Secretário. Em outubro de 2018 compôs a chapa na candidatura ao governo do Estado, vencendo com mais de quatro milhões e seiscentos mil votos válidos (4.675.355).

Aglomerações

Em meio à aglomeração, Cláudio Castro (PSC) chegou à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), para tomar posse como governador do estado, por volta de 11h. Uma hora após o início previsto para a sessão. Antes da cerimônia, Castro ainda se reuniu com deputados estaduais. Durante a chegada de Castro, houve aglomeração entre secretários, assessores, deputados e convidados.

Aglomerações são consideradas, por autoridades de saúde, uma forma de facilitar o contágio pela covid-19. Entretanto, recentemente, o agora governador tem se envolvido em episódios do tipo. Durante a inauguração do Hospital Modular de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, houve uma aglomeração com cerca de 200 pessoas. Semanas antes, Castro comemorou o aniversário com uma festa no distrito de Itaipava, em Petrópolis. Também, recentemente, vazou um vídeo em que Castro aparece num pagode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 4 =