Cláudio Castro e Bolsonaro parabenizam policiais por megaoperação no Rio

Quase 20 horas depois do início da operação policial que terminou com pelo menos 22 mortos no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio, o governador Cláudio Castro e o presidente Jair Bolsonaro se pronunciaram – praticamente na mesma hora, no fim da noite de hoje (24) – sobre a ação conjunta que contou com a participação de policiais militares do Bope, Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal.

Ambos exaltaram e elogiaram os policiais que participaram da operação.

“Parabéns aos guerreiros do BOPE e da @PMERJ que neutralizaram pelo menos 20 marginais ligados ao narcotráfico em confronto, após serem atacados a tiros durante operação contra líderes de facção criminosa. A ação contou com apoio da DRE (@policiafederal ) e @PRFBrasil”, escreveu Bolsonaro no Twitter.

Cláudio Castro lamentou as mortes, mas disse que apesar de defender um Rio de paz, quem aponta a arma para um policial está mirando em toda a sociedade.
“Quem aponta uma arma contra a polícia está apontando uma arma contra toda sociedade. Isso jamais vamos tolerar. Eu luto por um Rio de paz. Toda morte é lamentável, mas todos sabemos que nossas responsabilidades impõem que estejamos preparados para o confronto”, postou o governador.

Sobre a morte da moradora, Cláudio Castro disse que ela está sendo investigada.

“Policiais foram atacados por bandidos fortemente armados. O violento confronto culminou na morte dos criminosos. Uma moradora está entre as vítimas e sua morte está sendo investigada”, afirmou.

Já Bolsonaro ao falar sobre a morte da cabeleireira Gabriele Ferreira da Cunha, de 41 anos, disse que está havendo uma inversão de valores por parte da mídia.

“Lamentamos pela vítima inocente, bem como pela inversão de valores de parte da mídia, que isenta o bandido de qualquer responsabilidade, seja pela escravidão da droga, seja por aterrorizar famílias, seja por seus crimes cruéis. Boa noite a todos”, comentou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.