Cinturão de segurança na região central

Augusto Aguiar

Os moradores do tradicional bairro da Ponta da Areia, que também sofre com o crescimento dos índices de criminalidade na cidade, em breve contarão com importantes “ferramentas” no combate à mancha criminal na região. Na noite de segunda-feira (12) moradores, representantes da Associação de Moradores do Morro da Penha e Portugal Pequeno (Ammopeppe), do 12º BPM (Niterói), Conselho Comunitário de Segurança de Niterói (CCSN), PDA em Foco, e ONG Viver Bem, praticamente definiram importantes iniciativas para a criação de uma espécie de “cinturão de segurança” para conter a incidência de crimes como roubos a transeuntes, de estabelecimentos comerciais, de veículos e furtos. Para atingir o objetivo, serão instaladas no bairro de 20 a 30 câmeras em pontos estratégicos do bairro, que transmitirão imagens para ONG Viver Bem, que já monitora vários outros bairros da cidade.

“Esse foi o segundo encontro do Grupo de Alerta, que também já havia organizado ações preventivas como o Botão de Pânico (um sistema de alerta monitorado pela PM). A ideia é instalar de 20 a 30 câmeras ao longo do bairro e também estamos mantendo contato com os estaleiros situados na região para participarem. Estiveram presentes na reunião, no Clube Fluminense, o tenente-coronel Marçal (representando o comandante do 12º BPM, coronel Márcio Rocha), Felipe Reis, coordenador da ONG Viver Bem, Moacyr Chagas, secretário do Conselho Comunitário de Segurança de Niterói, a Capitã Camila, responsável pelo monitoramento do Grupo Alerta, e Francisco Valittuto, do PDA em Foco, entre outros. Será um benefício para todos”, explicou o presidente da Ammopeppe, Adriano Felício.

Manutenção e o abastecimento de viaturas
Na mesma reunião ficaram definidas outras duas importantes iniciativas, que serão implementadas em breve no bairro. “Além das câmeras de segurança, foi firmada uma parceria que tem como finalidade oferecer maior sensação de segurança. Estamos (a Ammopeppe, PDA, os moradores e pessoas estabelecidas no bairro) oferecendo a manutenção, feita por mecânicos que trabalham na região, nas viaturas responsáveis pela ronda policial. A associação se compromete a oferecer essa manutenção. Também, devido à grave crise financeira que assola o Estado, foi discutida a criação de um fundo (custeado por moradores e comerciantes) direcionado para garantir o combustível das viaturas da PM que participam do patrulhamento no bairro. Acho que o encontro foi muito positivo para garantir maior segurança na região”, afirmou Adriano Felício.

Ideia semelhante, essa relacionada a ajudar com insumos básicos para garantir o funcionamento das DPs e ao 12º Batalhão, já foi tema de debate na mais recente reunião do Conselho Comunitário de Segurança de Niterói, na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), onde estão sendo finalizadas as principais iniciativas para implementação do sistema de “apadrinhamento” para cada órgão de segurança estabelecido na cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 12 =