Chuvas castigam Niterói e São Gonçalo causando muitos transtornos

Fortes chuvas, acompanhadas de ventania, causaram diversos transtornos, no fim da manhã de hoje, em vários bairros de Niterói, São Gonçalo e região. Até o início da tarde, felizmente não havia registro de vítimas, mais vários relatos de alagamentos, deslizamentos, e de quedas de árvores, que não resistiram a força do vento.

Muitas pessoas que estavam nas ruas e motoristas foram pegos de surpresa, por volta das 11 horas, quando a chuva fraca que até então caía sobre a região se transformou rapidamente numa forte pancada de chuva, acompanhada de vento. Rapidamente várias ruas alagaram e bueiros não deram vazão ao grande volume de água. Na Rua Manoel Pacheco de Carvalho, no Centro de Niterói, parte de uma árvore cedeu ao vento e caiu, junto a um valão.

Na Alameda São Boaventura vários bolsões de água se formaram. Nas imediações do Hospital Getúlio Vargas Filho (o Getulinho), na subida da Caixa D´Água, no acesso a Rodovia Amaral Peixoto (RJ-104), no km zero, um barranco cedeu e foi parar na pista sentido São Gonçalo da via. O barranco não atingiu nenhum veículo ou pessoa que pasava pelo local caminhando.

Ao longo da rodovia, em direção a São Gonçalo, mais transtornos para pedestres e motoristas. No Morro do Castro, divisa entre Niterói e São Gonçalo, outra árvore caiu atrapalhando a passagem de veículos no local, mais uma vez sem registro de vítimas. Nas imediações do viaduto do bairro Maria Paula, várias bolsões de água se formaram conforme o tempo passava e a chuva não parava. A demora no escoamento da água dificultou o tráfego de veículos leves e pesados, que tinham que manobrar para desviar de trechos mais alegados, com risco de pane mecânica.

Já em São Gonçalo, em bairros como Neves e Colubandê, várias via ficaram alagadas, como a Rua José Augusto Pereira dos Santos, nas imediações da 73ª DP. Em alguma vias apenas condutores de veículos pesados, como caminhões e ônibus, se arriscaram a passar por trechos mais alagados.Veículos leves tiveram de passar por ruas adjacentes para se livrarem dos alagamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × três =