Chuva castiga Niterói e São Gonçalo

Raquel Morais

Niteroienses e gonçalenses se surpreenderam com o forte temporal que assolou os municípios no início da tarde de ontem. Nas duas cidades dezenas de ruas ficaram alagadas, o trânsito congestionado, pelo menos quatro transformadores estouraram e muitos bairros ficaram sem energia elétrica por mais de duas horas. As prefeituras de Niterói e de São Gonçalo decretaram estágio de atenção para os municípios.

Segundo informes do Centro de Monitoramento e Operações da Defesa Civil de Niterói, o município registrou, em uma hora de chuva, 26,4 milímetros na Coronel Leôncio, 17,2mm no Morro do Castro e 8,4mm no Largo da Batalha. Mesmo com números relativamente baixos, a Alameda São Boaventura, no Fonseca, ficou com alguns pontos alagados, como nas ruas 22 de Novembro e na Carlos Maximiano. Na Rua Benjamin Constant, no Barreto, a situação também foi preocupante, com várias bolsões de água, que demoraram para escoar.

Na Zona Sul a situação também ficou tensa. A Avenida Roberto Silveira teve alguns pontos alagados e um transformador de energia estourou. O clarão e o estrondo amedrontou quem se arriscava a andar pela rua. Nas ruas Pereira da Silva, Otávio Carneiro, Mém de Sá, Castilho França e Cinco de Julho, o trânsito ficou parcialmente parado por mais de uma hora, devido os alagamentos. Na Miguel de Frias, a situação ficou mais crítica por conta do volume de água que descia pela Fagundes Varela.

Na Avenida Almirante Ary Parreiras, também em Icaraí, o canal transbordou e moradores e motoristas ficaram ilhados. Em Charitas e São Francisco as ruas também ficaram embaixo d’água e motoristas chegaram a ficar cerca de 50 minutos no trânsito esperando a água escoar. O canal da Avenida Presidente Roosevelt, em São Francisco, ficou a poucos centímetros de transbordar. Moradores do bairro reclamaram de falta de luz até o fim da tarde.

No Centro de Niterói, ruas como Visconde de Sepetiba, da Conceição, Maestro Felício Toledo e Visconde do Uruguai, além da Travessa Alberto Vitor, ficaram alagadas e impediram muita gente de almoçar.

“Eu estou presa no serviço porque não tem nem como atravessar a rua. A gente não esperava que fosse desabar o mundo hoje em Niterói”, afirmou a cabeleireira Janete Soares, de 39 anos. 1 - NITERÓI _MAF4588

SÃO GONÇALO

Em São Gonçalo o volume de água foi bem maior. Por lá, segundo dados da Prefeitura, choveu 93mm em três horas, o que deixou a população apavorada. Foi tanta água que alguns moradores de Neves tiveram que ser resgatados de barco por bombeiros. Bairros como Alcântara, Colubandê, Camarão, Trindade e Gradim também ficaram completamente alagados. A Defesa Civil do município recebeu três solicitações (duas por alagamento em Neves e uma queda de muro no bairro Sete Pontes). Segundo nota da Prefeitura, não houve registros de deslizamentos de terra.

No Barro Vermelho, na Rua Minervina de Jesus, em frente ao Colégio Municipal Joaquim Lavoura, a altura da água chegou na base das portas dos veículos. No Colégio Municipal Irene Barbosa Ornelas, no Jardim Catarina, a água invadiu a escola. Nas ruas Padre Nicolau Luis e Professor Altivo, no Mutuá, um rio foi formado e impediu a passagem de carros e pedestres por algumas horas.

A Enel foi procurada pela equipe de reportagem de A TRIBUNA, mas não se manifestou sobre os problemas de energia até o fechamento dessa edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 18 =