Chargista gonçalense é destaque em mostra virtual da Sala Carlos Couto

Um papel e um lápis. Seja de escrever ou de colorir. Não importa a cor do desenho, o que se sabe é que ele terá forma e será destaque. É assim que o jornalista, chargista e escritor Marcos Vinícius Cabral pensa antes de elaborar a charge. E para quem deseja conhecer o trabalho do artista, a partir do dia 29 de setembro (quarta-feira), às 18 horas, as redes sociais da Sala Carlos Couto apresentam algumas das obras do desenhista em mostra virtual.

Assinando seus trabalhos como Vinícius – por acreditar ser poeta dos traços, assim como Vinicius de Moraes foi na música -, o profissional nasceu em Nova Friburgo, na Região Serrana, mas é morador de São Gonçalo desde 1978. Ele aprendeu a arte de forma autodidata e já realizou quatro exposições individuais.

Torcedor fanático do Flamengo, o chargista de 47 anos de idade também já ilustrou um livro sobre o Flamengo, foi coautor de outra obra sobre Copas do Mundo, ambos em 2014, e passou por diversas redações, antes de se formar jornalista em 2018.

“Sempre gostei de desenhar. Quando era pequeno, copiava alguns desenhos e depois fui adaptando para o meu jeito, criando os meus próprios traços. Aprendi tudo sozinho”, conta o artista.

A primeira oportunidade que ele teve para mostrar o seu talento para o mundo surgiu em 1993, quando o jovem de 19 anos foi convidado para trabalhar como freelancer no extinto jornal “Sete dias”, em Niterói:

“Eu fiz uma charge do ex-governador Marcello Alencar e levei lá. Eles gostaram do meu trabalho e passei a colaborar com o jornal”, recorda.

Mas quem pensa que o crescimento foi rápido e fácil, engana-se. Não foram poucas as dificuldades enfrentadas por Vinícius. Ele explica que trabalhou muito tempo como taxista para pode pagar a faculdade e ajudar no sustendo de casa. E nos últimos anos, com a precarização do jornalismo e o aumento da concorrência com os aplicativos de corridas, as dificuldades aumentaram.

“Nos últimos anos a situação piorou muito. Infelizmente a gente não vê as redações contratando, mas só há demissões. E pra manter meu sonho, tive que fazer muitas corridas de aplicativos, abrindo mão de passar tempo com família ou descansando. Foram muitas situações difíceis, horas sem dormir, medo de não conseguir se um bom pai e marido. Mas Graças ao bom Deus, Ele nunca deixou faltar nada em casa”, conta Vinícius, que faz questão de enaltecer a fé que tem.

Sonho ainda não realizado

Mas quem pensa que ele realizou todos os sonhos está enganado. Ele conta que um projeto, quase concluído, ainda não está disponibilizado por causa de uma tragédia, a morte de um amigo.

Ele ajudou na elaboração de uma biografia do ex-jogador Leandro, lateral-direito do Flamengo do time sensação dos anos 80. Parceiro de Vinícius na obra, o jornalista Gustavo Roman foi vítima de covid em 30 de dezembro do ano passado. Enaltecendo o colega, Vinícius espera poder concluir esse trabalho para, ao menos, fazer uma homenagem póstuma ao amigo.

“A gente já estava com tudo pronto para tocar o livro. Toda a parte escrita já está concluída e revisada. Íamos esperar virar o ano pra ver a questão burocrática, editora, etc. Só que infelizmente não foi possível. A gente já estava com a programação atrasada por causa da pandemia, de todo o desastre financeiro que isso tem causado. E agora não sei o que fazer depois da morte do Roman, um cara muito querido. Espero que essa publicação saia para, ao menos, homenagear um amigo super especial”, emociona-se.

Para quem quiser acessar as redes sociais da Sala Carlos Couto basta apenas acessar: facebook.com/salacarloscoutoniteroi ou @salacarloscouto no Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 6 =