Chapa segue quente na Zona Norte

Augusto Aguiar

Um antigo e polêmico problema na área de segurança voltou a atormentar o niteroiense, sobretudo nos últimos dias, quando explodiu uma guarra de facções criminosas, que está acabando com o sossego dos moradores da Zona Norte da cidade: a vinda de bandidos do Rio para apoiar ataques na disputa pelo controle de territórios em comunidades, sobretudo no Fonseca e bairros vizinhos. No último fim de semana, mais uma vez moradores do Fonseca, Riodades, São Lourenço, Barreto e adjacências buscaram abrigo dentro de suas próprias casas por conta de confrontos ocorridos em comunidades como Complexo do Santo Cristo – Palmeira, Pimba, Morro Seco e Coronel Leôncio – e também novamente no Morro Boa Vista, que se estende dos bairros São Lourenço até quase no Cubango.

No caso da comunidade Boa Vista – a exemplo da semana passada, quando bandidos fortemente armados atacaram rivais provocando um confronto e até a suspensão das aulas no C.E. José Bonifácio, na Rua Carlos Maximiano – traficantes da facção Comando Vermelho (CV) voltaram na localidade no fim de semana. Os confrontos se estenderam durante a madrugada e pela manhã já havia selfies de criminosos exibindo fuzis e pistolas nas redes sociais, afirmando que teriam tomado os pontos de venda de drogas da facção rival ADA (Amigos dos Amigos). De acordo com fontes policiais, os bandidos que aparecem nas imagens divulgadas na internet seriam do CV, mas oriundos da comunidade Jorge Turco, no bairro de Coelho Neto, subúrbio do Rio. O fato confirmaria a teoria de que bandidos de outras comunidades do Rio estariam atravessando a Ponte Rio-Niterói para apoiarem aliados em ataques a localidades com bandidos rivais em Niterói.

Um dos bandidos que aparecem nas imagens divulgadas nas redes sociais seria o Mingau, procurado pela polícia do Rio e que estaria promovendo invasões em comunidades rivais em vários pontos do estado. Ainda na Zona Norte de Niterói, os ataques a rivais nos morros do Santo Cristo, Pimba, Palmeira, Coronel Leôncio e Morro Seco (todos ligados a facção TCP (Terceiro Comando Puro) prosseguiram por parte do CV, que tem por objetivo unificar o controle das comunidades na região. Na semana passada, num desses ataques um homem morreu e surgiram boatos que outros corpos estariam espalhados no alto da comunidade da Palmeira.

Bandido com máscara de macaco
Surgiram também boatos que, durante os ataques, traficantes teriam incendiado um veículo na Rua Desembargador Lima Castro. A 78ª DP (Fonseca) esclareceu que por volta das 21 horas de domingo, três assaltantes armados que estavam num veículo modelo Voyage, de cor prata, renderam um casal que estava num outro carro, modelo Hyundai HB 20, de cor branca. Um dos bandidos usava uma máscara de “macaco”.
Assim que expulsaram os proprietários do carro e assumiram a direção do veículo para a fuga, ocorreu uma pane elétrica no HB 20 e o carro acabou se incendiando, ficando completamente destruído. O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas não evitou o dando. Para deixarem o local, ainda na Rua Desembargador Lima Castro, os bandidos roubaram outro carro e fugiram. Além do criminoso que usava uma máscara de macaco, outro assaltante seria gordo e banco, e o terceiro não foi descrito pelas vítimas.

A ocorrência foi registrada na 78ª DP, cuja equipe de investigação já teria identificado as principais lideranças envolvidas na mais recente e violenta guerra pelo controle do tráfico na região e aprofundam um trabalho de levantamento para localizá-los e prendê-los. Algumas da lideranças ainda estariam dando ordens de dentro da prisão para aliados fora dos presídios, nas comunidades envolvidas na disputa por territórios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 5 =