Chacina: quatro mortos e sete feridos em São Gonçalo

Uma chacina, onde quatro pessoas foram mortas e outras sete feridas a tiros, deixou abalada toda a cidade de São Gonçalo, no fim da noite de domingo (26), quando ocupantes armados, de dentro de carro, passaram atirando na direção de um bar, situado na Rua João Damasceno, no bairro Porto Velho. No momento do ataque, o estabelecimento apresentava bom movimento de clientes, que participavam de uma festa de confraternização. De acordo informes, nas imediações do mesmo bar onde 11 pessoas foram baleadas, outro estabelecimento também teria sido atacado a tiros, mas nesse último caso não houve feridos. A prefeitura de São Gonçalo decretou luto de três dias por conta da trágica ocorrência.

Dois baleados morreram no local e outros dois após faleceram após serem socorridos e lavados para unidades hospitalares da região – o Pronto Socorro de São Gonçalo e o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat). Imagens que foram postadas nas redes sociais, pouco antes da chacina, mostraram os frequentadores do bar se divertindo e dançando. Entre eles a proprietária do estabelecimento, identificada como Janete Bezerra dos Santos Ribeiro, de 59 anos. Também morreram na chacina: Fábio Rosa de Souza, de 41 anos; Valdir Pinto Oliveira Sobrinho, de 60 anos, o Valdir Papel – pintor de paredes e compositor da Escola de Samba Porto da Pedra; e José Luiz Caetano, conhecido como Pepe, professor de idiomas.

Entre a madrugada de domingo e a manhã desta segunda-feira (27), policiais civis da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) realizaram trabalho de perícia no estabelecimento onde ocorreu a chacina e também observaram se no perímetro teria câmeras de segurança que possam ter registrado a ação visando identificar os assassinos.

O ataque teria ocorrido por volta das 19 horas e logo a seguir, após a chegada ao local pelo Corpo de Bombeiros, várias vítimas feridas foram encaminhadas para o PSSG, no bairro Zé Garoto, e de lá transferidas para o Heat, no bairro Colubandê. Dois sete feridos, 2 permaneceram internados no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), e outros dois liberados, sem maior gravidade.

Governador diz que ‘Polícia não mata inocentes’
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou hoje (27), que a polícia atua para enfrentar traficantes e não mata inocentes, ao comentar a ação de criminosos na noite de domingo (26), em São Gonçalo. “É mais uma demonstração do poder do crime organizado. Quando eu digo que não podemos deixar de combater o crime organizado, alguns movimentos se voltam contra mim, dizendo que eu sou fascista e genocida. Mas a polícia não atira em bar, a polícia não mata pessoas inocentes. A polícia vai para o confronto quando é possível enfrentar os traficantes”, disse após participar da solenidade de abertura da 5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista, organizada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ).

Segundo Witzel, basta uma guerra entre facções para que criminosos saiam às ruas para atirar a esmo e matar pessoas inocentes. Ele disse que o governo está de portas abertas aos jovens que tenham se envolvido com o crime e estejam dispostos a fazer uma delação.

“Podem ir para uma penitenciária especial e ter ali o resgaste de sua cidadania. Não queremos jovens mortos, queremos jovens salvos, resgatados. Mas, contra os que insistem em ir pro confronto e matar pessoas, a polícia deve agir com rigor”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 9 =